"Gregos: aguentem firmes que vêm reforços a caminho"

Partido Livre/Tempo de Avançar escreveu carta aberta aos "concidadãos gregos" que será entregue na embaixada helénica e publicada em dois diários de Atenas.

Foto

“Envergonham-nos e revoltam-nos as notícias de que o Governo de Portugal tem sido um obstáculo”, lê-se na carta, que foi traduzida para grego.

As críticas à posição portuguesa não se ficam por aqui. “Se a Grécia for bem sucedida, todos ficarão a saber que era possível fazer as coisas de forma diferente, ao contrário do que nos diziam. Os políticos deste Governo português forçam a intransigência dentro do Eurogrupo por razões que se prendem com o futuro político deles, mas que são contra o interesse nacional ou europeu.”

Para a candidatura que nasceu da convergência entre o partido Livre, a corrrente Manifesto e o movimento Renovação Comunista, o executivo de Passos Coelho “não [os] representa”. “ Faremos pressão, dentro e fora de Portugal, para que o Governo de Portugal mude de posição — ou para que Portugal mude de governo.”

Classificando a equipa de Alexis Tsipras como o “primeiro governo antiausteridade da União Europeia”, na carta é  «expresso o desejo de que as negociações em curso na União Europeia possam conduzir “a um novo contrato”, que permita “um futuro melhor para toda a zona euro”, lê-se.

“No que depender de nós, a Grécia nunca mais estará sozinha numa reunião do Eurogrupo. E vamos consegui-lo já no futuro próximo. Caros concidadãos gregos: aguentem firmes, que vêm reforços a caminho.”