Portugal em quadradinhos

Fotogaleria
Azulejo de arestas Viúva Lamego
Fotogaleria
Azulejo Moçarabe Viúva Lamego
Fotogaleria
Azulejo Moçarabe vidrado branco Viúva Lamego
Fotogaleria
"Landscape Rock" dos designers do Pedrita Studio, para o Rock in Rio, Lisboa. Os azulejos aplicados são da Cortiço & Netos
Fotogaleria
Azulejo tradicional (14x14cm) escolhido para projecto de Siza Vieira no Pavilhão de Portugal, na Expo
Fotogaleria
Pavilhão de Portugal, na Expo, projecto de Siza Vieira com azulejo tradicional, cor Verde Expo (14x14cm)
Fotogaleria
Azulejo Viúva Lamego
Fotogaleria
"Turbilhão", a intervenção das arquitectas Catarina e Rita Almada Negreiros no Interface Sul-Sudeste do Terreiro do Paço, Lisboa
Fotogaleria
Na loja da Cortiço & Netos há algumas das mais de 900 variedades de azulejo
Fotogaleria
Em 30 m2, a Cortiço & Netos reúne exemplares descontinuados das linhas industriais portuguesas desde os anos 60
Fotogaleria
o espólio da loja Cortiço & Netos, na Mouraria, é fruto da recolha que o seu fundador, Joaquim José Cortiço , fez entre 1979 e 2013
Fotogaleria
Cortiço & Netos
Fotogaleria
Cortiço & Netos
Fotogaleria
Cortiço & Netos
Fotogaleria
Cortiço & Netos
Fotogaleria
Cortiço & Netos
Fotogaleria
Cortiço & Netos

Azulejo é palavra que entra no vocabulário de qualquer roteiro turístico do nosso país e é visto como uma das mais originais produções portuguesas. Está connosco há seis séculos e, apesar de breves períodos de aparente ausência, promete continuar. Embora a palavra azulejo pareça uma associação à pintura azul cobalto, a origem do termo está no árabe, azzelij, que significa pequena pedra polida, usado para designar o mosaico bizantino. O azulejo é constituído por duas partes; pela sua massa de barro que lhe dá a forma, geralmente quadrada, e a superfície vidrada que lhe dá cor e brilho.

À excepção de casos experimentais, a produção nacional só se iniciou a partir de finais do século XVI, altura em que ceramistas flamengos se fixam em Lisboa, trazendo consigo a técnica da faiança herdada dos italianos, conhecida como a Majólica. Foi esta técnica que permitiu a pintura sobre uma superfície branca esmaltada. Até então, as técnicas utilizadas nos azulejos (todos importados de Espanha) condicionavam os desenhos a processos de evitar a fusão das cores durante a aplicação e, sobretudo, a cozedura. A aplicação de esmaltes coloridos directamente sobre a chacota (primeira das duas cozeduras da peça, ainda sem o vidrado) obrigava a criar barreiras para separar as manchas de cor, utilizando-se as técnicas da corda-seca (abertura de sulcos na peça, preenchidos por uma linha de matéria gorda) e a de aresta (pequenos muros de contenção que se erguem pela pressão de um molde). A técnica da Majólica usa o revestimento a esmalte branco para receber e fixar as manchas de cor, e veio possibilitar a liberdade dos motivos pintados sobre uma superfície lisa.

O azulejo, desde sempre associado à arquitectura, como revestimento, exerceu um papel transformador do carácter fechado dos espaços interiores, desmaterializando superfícies e remontando geometricamente o espaço pelo efeito das linhas oblíquas dos padrões abstractos. Nas composições figurativas conseguiu dilatar o campo visual pela introdução da perspectiva. Harmonizou fachadas, em que as cercaduras e a repetição de módulos fazem parte do todo da composição. Em termos funcionais, são evidentes as suas propriedades como revestimento isolante, de fácil limpeza e manutenção. Acresce ainda o facto de se ter substituído o barro vermelho pelo branco, contribuindo para uma maior resistência dada pelo enriquecimento em calcário. Mas é a cintilação do seu vidrado, que permite os jogos de reflexos e imprime as variantes de luminosidade às fachadas, que fazem do azulejo um material único, especialmente aquele que é produzido por técnicas próximas das de fabrico artesanal, em que as irregularidades e a translucidez acentuam o seu efeito plástico.

É o caso dos azulejos da fábrica Viúva Lamego. O arquiteto Álvaro Siza Vieira usou-os numa das fachadas exteriores do Pavilhão de Portugal (Expo, Lisboa), e conseguiu um efeito em termos cromáticos e de brilho muito próximos dos da água do rio Trancão, ali ao lado. Outra proximidade temática com a água é dada pelas irmãs arquitectas Catarina e Rita Almada Negreiros no interior do Interface Sul Sudeste do Terreiro do Paço, em Lisboa; o tecto é ladrilhado seguindo a reprodução por pixéis (cada azulejo corresponde a uma unidade de imagem) de desenhos de ondas concêntricas, tornando-se num espelho de água invertido.

Há uma pequena loja na Mouraria que não é mais do que um mostruário do azulejo português industrial, ou até é bem mais do que isso. Em apenas 30 m2 a Cortiço & Netos expõe, de um modo verdadeiramente assumido, algumas das mais de 900 variedades de azulejo que Joaquim José Cortiço (o fundador desta empresa) conseguiu recolher desde 1979 até 2013 e que os seus netos agora se encarregaram de divulgar. A colecção reúne exemplares descontinuados das linhas industriais portuguesas desde os anos 60. E aqui, o azulejo que outrora horrorizava as nossas paisagens nas moradias de emigrantes, mostra-se vibrante e ganha estatuto de peça histórica. Algum deste espólio serviu já de matéria-prima para a intervenção “Landscape Rock”; um muro forrado pelos designers do Pedrita Studio no Rock in Rio, Lisboa.

O azulejo português destaca-se mundialmente pelo maior desenvolvimento que teve ao nível formal e funcional, traduzindo sempre a evolução dos séculos e fazendo, por isso, parte da nossa história.