PSP trava agressões numa manifestação por Sócrates em frente à cadeia

Humorista terá provocado manifestantes defendendo que ex-governante deveria "ficar preso para o resto da vida". Polícias protegeram e acompanharam humorista para longe do local do protesto.

Foto
Pedro Nunes

A PSP teve este domingo de intervir junto à cadeia de Évora, onde está preso preventivamente José Sócrates, para impedir agressões manifestantes a favor do ex-primeiro-ministro a um humorista que os terá provocado. “Sócrates devia ficar preso para o resto da vida”, terá, segundo fonte policial, gritado o humorista em direcção ao grupo de pelo menos 100 manifestantes.

As suas palavras indignaram algumas das pessoas que integravam o protesto tendo a polícia assistido a ameaças de agressão, pelo que protegeu e acompanhou depois o humorista para um local seguro. A situação foi resolvida, porém, em poucos minutos não tendo a PSP verificado a necessidade de efectuar detenções ou proceder à identificação de qualquer manifestante.  

Os cerca de 100 manifestantes da região da Covilhã, chegaram em duas camionetas e concentraram-se este domingo em frente à cadeia de Évora para participarem numa acção solidária para com o ex-primeiro-ministro. Sócrates, indiciado por fraude fiscal qualificada, corrupção e branqueamento de capitais, está em prisão preventiva há mais de dois meses

A concentração começou pelas 15h00 e já estava terminada às 16h30, assegurou fonte da PSP.

“Sócrates amigo a Covilhã está contigo”, gritaram os manifestantes entupindo a rua em frente à cadeia. Muitos entoaram a canção "Grândola, Vila Morena" e tinham cravos e rosas que depositaram no muro da prisão junto às letras que compõem a palavra "Évora".

Algumas das pessoas presentes na concentração tentaram mesmo visitar o ex-governante, mas não conseguiram. “Eu pensava que a visita estava marcada para as 15h30, mas afinal a cadeia alterou a hora para as 9h30 e eu não sabia. A essa hora estava na Covilhã”, lamentou à reportagem da TVI, José António Pinho, o empresário que organizou a concentração e que é “amigo de longa data” de Sócrates.

Esta acção foi “uma onda de solidariedade, absolutamente apartidária, pacífica e respeitadora”, caracterizou o empresário justificando que a região “deve muito” a Sócrates a quem quiseram manifestar solidariedade através de um “abraço fraterno e sincero”.

De acordo com o empresário, cada um dos participantes pagou o próprio bilhete de autocarro (12 euros). Na quarta-feira o promotor garantiu que a manifestação, que foi comunicada à autarquia e à PSP, não pretendia ser contra a Justiça, sendo apenas “silenciosa” e “sem bandeiras de qualquer força política”.

José Sócrates cresceu e iniciou o percurso profissional e político na cidade da Covilhã, da qual recebeu a Chave da Cidade e a Medalha de Ouro de Mérito Municipal no dia 20 de Outubro de 2014.