Aumento de serotonina no cérebro torna ratinhos mais pacientes

Ninguém sabe ao certo como actua este transmissor neuronal que é o alvo de antidepressivos como o Prozac. Uma equipa portuguesa descobriu um efeito inédito que poderá dar pistas para resolver o mistério.

Foto
O que faz alguém desistir (ou não) de esperar por um dado evento quando este tarda em acontecer? Pedro Cunha (arquivo)

Quanto mais serotonina um ratinho tiver no cérebro, maior o tempo que consegue esperar pacientemente por uma recompensa. Este resultado, da autoria de Madalena Fonseca, Masayoshi Murakami e Zachary Mainen, neurocientistas da Fundação Champalimaud, em Lisboa, foi publicado na quinta-feira na revista Current Biology.

A serotonina é um das principais substâncias químicas que medeiam a transmissão da informação nervosa no cérebro. É produzida por pequenos grupos de neurónios situados no tronco cerebral, chamados núcleos da rafe, e é o alvo dos antidepressivos da família do Prozac. Estes medicamentos, também conhecidos pela sigla SSRI, agem impedindo a recaptação da serotonina pelos neurónios, fazendo portanto aumentar os níveis de serotonina extracelulares no cérebro. E, na medida em que a serotonina está associada aos estados de ânimo – e em particular à sensação de bem-estar –, pensa-se que é esse aumento que alivia os sintomas depressivos.

Porém, o que a serotonina faz exactamente ainda está por desvendar. “A serotonina é um mistério porque está envolvida em inúmeras coisas, mas que, mesmo depois da publicação de mais de 10.000 artigos científicos (!), as neurociências não conseguem construir uma teoria coerente e consensual do que ela faz”, disse ao PÚBLICO Zach Mainen. “A maior parte das pessoas associa a serotonina à felicidade por causa dos SSRI, mas os neurocientistas não vêem as coisas dessa maneira.”

Mainen e os seus colegas estudam os processos neuronais envolvidos na tomada de decisão. E em particular, tentam perceber o que faz alguém desistir (ou não) de esperar por um dado evento quando este tarda em acontecer.

“Interessa-me perceber de onde vem a paciência e ver como um sistema do cérebro é capaz de entrar em conflito com outro, ou de competir ou controlar outro sistema”, explica-nos Zach Mainen. “Freud falava em termos de id versus ego e hoje falamos em funções executivas, mas continua a ser muito pouco claro como tudo isto funciona a nível biológico. Por isso, estamos a tentar abordar algumas grandes questões estudando em grande pormenor uma coisa muito simples: o adiamento de uma decisão.”

No estudo agora publicado, os cientistas analisaram o papel da serotonina na paciência através de experiências com ratinhos nas quais os animais tinham de esperar por uma recompensa que demorava um tempo indeterminado a chegar. Durante essas experiências, a equipa podia estimular à vontade a produção de serotonina pelo cérebro dos animais graças à técnica dita de "optogenética", cada vez mais utilizada neste tipo de estudos. “Tornámos os neurónios que produzem serotonina sensíveis à luz e assim, quando os iluminávamos, eles activavam-se e libertavam serotonina”, diz Madalena Fonseca em comunicado da fundação.

Os autores constataram então que, quando activavam as células produtoras de serotonina, os ratinhos tornavam-se mais pacientes. “Experimentámos com diversos níveis de activação e constatámos que, quanto maior essa activação, maior o tempo que [os animais] conseguiam esperar”, acrescenta Masayoshi Murakami, citado no mesmo documento.

Mas os cientistas mostraram ainda outra coisa – algo que, segundo eles, vai contra a ideia de que os antidepressivos que agem sobre a serotonina funcionem simplesmente aumentando a sensação de bem-estar das pessoas deprimidas. Mais precisamente, fizeram uma outra experiência para determinar se os ratinhos preferiam ou não desempenhar tarefas durante as quais a produção de serotonina pelos seus neurónios era estimulada. “Se a sensação [produzida por maiores níveis] de serotonina fosse agradável ou gratificante”, diz Madalena Fonseca, “isso poderia explicar por que é que os ratinhos estavam dispostos a esperar mais” quando os seus neurónios produtores de serotonina eram estimulados do que quando não eram.

Os resultados desmentem essa hipótese. “Os nossos resultados mostram que a história [da serotonina] não é assim tão simples”, diz Zach Mainen. “Põem em causa a existência de um efeito motivacional ou emocional [da serotonina], como se pensa habitualmente, apontando antes para um efeito sobre as nossas percepções e as nossas acções” (que é o que está em causa nas experiências sobre a paciência).

O estudo poderá permitir perceber melhor o papel da serotonina na depressão e noutras doenças, concluem os autores. “O facto de o efeito antidepressivo dos SSRI demorar duas a três semanas a manifestar-se é um enigma”, diz Zach Mainen, “e sugere que esse efeito [sobre o humor] não é o efeito primário do aumento de serotonina". Por isso, Mainen pensa que a ligação entre o aumento da serotonina e o efeito antidepressivo é indirecta. “Não sabemos qual é essa ligação, mas podemos especular que os efeitos sobre a paciência que vemos nas nossas experiências fazem parte dela. É uma questão muito complexa…”

Alguns especialistas têm afirmado que os antidepressivos como o Prozac não são melhores do que um placebo (medicamento fictício) no tratamento da depressão. Os resultados trazem novidades em relação a esta questão? Zach Mainen responde-nos que “dizer que o Prozac não é melhor do que um placebo não é dizer que não tem efeitos biológicos”. Para ele, os resultados agora obtidos “não fornecem muitos dados novos sobre os efeitos dos SSRI (…), mas dão algumas pistas para os conseguirmos perceber melhor”.