Morreu Ulrich Beck, o sociólogo alemão da "sociedade de risco"

Era considerado um dos mais influentes sociólogos da actualidade, uma referência da sociologia contemporânea.

Beck tinha 70 anos
Foto
Beck tinha 70 anos DR

Ulrich Beck, que ainda em 2014 esteve em Portugal para falar sobre a Europa, que considerava em risco de se transformar numa “Europa Alemã”, morreu na quinta-feira, dia 1. A notícia da sua morte só foi anunciada neste sábado. Ulrich Beck tinha 70 anos e morreu de ataque cardíaco.

Nascido em 1944 na Pomerânia, Ulrich Beck cresceu em Hanôver e fez todos os seus estudos (sociologia, filosofia, psicologia e ciências politicas) em Munique. O sociólogo, talvez o investigador mais citado da actualidade, ganhou notoriedade em 1986 com a publicação da obra Sociedade de Risco (Riskiogesellschaft), que foi nos últimos anos traduzida para mais de 30 idiomas.

Em Sociedade de Risco, o alemão descrevia como o contexto económico, numa sociedade em mudança, e a sua influência nas ideologias individuais, contribuíram para os excessos da sociedade de risco. A obra, que foi primeiro traduzida para inglês em 1992 e só mais recentemente para português, no Brasil, na editora 34, teve um grande impacto na sociedade. Beck defendia que as estruturas tradicionais que marcavam os limites da desigualdade e da insegurança estavam a ser profundamente alteradas por processos de individualização e de fragmentação familiar social.

Ulrich Beck destacava-se porque falava de uma outra modernidade. Para si, "a produção social da riqueza" era inseparável da "produção social de riscos”. O risco, que não é igual para todos, democratizava-se, podendo afectar de forma inesperada pessoas e grupos que até então se mantinham estáveis.

Beck, que foi professor da Universidade de Munique e na London School of Economics, era também nos últimos anos um dos grandes críticos da Alemanha, que lhe parecia estar apostada numa estratégia de hesitação a que chamava “Merkiavel”. No seu entender, impunha-se um contrato social novo, gerador de mais democracia.

O seu livro, A Europa Alemã. De Maquiavel a “Merkievel”: Estratégias de Poder na Crise do Euro, chegou às livrarias portuguesas em 2013 pela Edições 70. Neste ensaio, o sociólogo considera que vivemos já numa “Europa alemã”. O livro aborda várias questões do “projecto europeu”, como os problemas de uma união bancária, dado que os bancos vivem à escala transnacional mas morrem à escala nacional, sendo a factura paga pelos Estados a que pertencem e seus contribuintes. Beck criticava veementemente a saída de certos países do euro, o que criaria uma Europa a três velocidades: a daqueles que conseguiram manter-se na moeda única, a dos que nunca a quiseram integrar e, enfim, a dos que foram incapazes de cumprir as exigências da união monetária.

O sociólogo foi um dos convidados do Congresso Português de Sociologia, que aconteceu em Abril do ano passado em Évora. Coube a Beck a abertura do congresso, onde falou sobre uma “europeização improvisada”.