Tufão Hagupit fez pelo menos 21 mortos nas Filipinas

O Presidente Benigno Aquino, muito criticado há um ano, tentou diminuir ao máximo a margem para erros - quase 130 mil famílias foram retiradas de casa antecipadamente.

Há zonas que ficaram completamente devastadas com a passagem do tufão
Fotogaleria
Há zonas que ficaram completamente devastadas com a passagem do tufão AFP
Fotogaleria
Reuters
Fotogaleria
Reuters
Fotogaleria
Reuters
Fotogaleria
Reuters

O Hagupit, qualificado de super-tufão no momento da sua formação no Oceano Pacifico, perdeu força à medida que se aproximou da terra. No sábado a sua classificação desceu para tufão e no anteontem para tempestade tropical, com ventos de 110 quilómetros por hora.

Mesmo assim, os estragos fizeram-se sentir. Entre sábado e domingo cerca de um milhão de pessoas foram obrigadas a abandonar as suas casas para se refugiarem em abrigos criados para o efeito em lugares mais altos e edifícios mais seguros como igrejas, escolas e estádios desportivos. Na memória está ainda a tragédia de Novembro do ano passado, quando a passagem do tufão Haiyan fez quase sete mil mortos e deixou cerca de 600 mil pessoas desalojas.

Agora que a tempestade passou é tempo de voltar às ruas para se avaliar realmente a situação. A Cruz Vermelha fez ontem um primeiro balanço do impacte da passagem do Hagupit. "Confirmarmos que 21 pessoas morreram na zona oriental de Samar, 16 delas em Borongan", disse à imprensa Gwendolyn Pang, secretária-geral da organização, explicando as vítimas terão morrido afogadas nas inundações provocadas pelo tufão.

Em certas regiões de difícil acesso é possível que os estragos tenham sido mais fortes.

A tempestade continuou na direcção de Manila, onde se mantinha o estado de alerta, embora com menor preocupação. O Governo filipino alertou os moradores da capital e das regiões vizinhas que se poderiam esperar ventos e chuvas fortes, inundações e até deslizamentos de terra ao longo desta segunda-feira.

Milhares de pessoas foram deslocadas. Joseph Estrada, presidente da câmara de Manila, disse à BBC que a região, onde vivem 11,8 milhões de pessoas, estava a preparar-se para a tempestade. "São as inundações que nos preocupam."

As escolas fecharam, os voos de e para o aeroporto de Manila foram cancelados, assim como todos os serviços do Estado não funcionarão. A ordem é para não andar na rua.

Apesar das vítimas mortais e dos estragos que ainda se contam — é provável que o número de mortos venha a subir —, as Filipinas respiram de alívio por este tufão ter sido mais fraco do que estava previsto. Mesmo que tenha sido o mais forte a abalar o arquipélago este ano ficou muito longe do tufão Haiyan, que foi considerado o mais violente de sempre a abalar o país.

A cidade de Tacloban, que foi fortemente atingida há cerca de um ano, passou praticamente incólume ao Hagupit.

Esta região é frequentemente afectada por tempestades tropicais. Ao longo do ano, o arquipélago é atingido por cerca de duas dezenas de tufões. Se no ano passado as Filipinas se viram a braços com o Haiyan, em 2012 foi o tufão Bopha que deixou também um rasto de destruição, fazendo pelo menos 1800 mortos e muitos desaparecidos.

Com o fantasma destes desastres, a administração do Presidente Benigno Aquino — muito criticada há um ano — tentou diminuir ao máximo a margem para erros. Quase 130 mil famílias foram retiradas de casa nas semanas antes da passagem do tufão e foram criados abrigos e centros de distribuição de comida e ajuda com bastante antecedência.