Paulo Portas quer ocupar o centro político deixado pelo PS

Passos Coelho e o líder do CDS estiveram juntos na evocação da morte de Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.

Fotogaleria
O 34.º aniversário da morte de Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa voltou a juntar os dois líderes dos partidos da maioria Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

Paulo Portas aproveitou uma sessão conjunta dos dois partidos em que estava perante Pedro Passos Coelho para lançar a estratégia eleitoral que a coligação deve assumir face à viragem à esquerda do PS: ocupar o centro do espectro político. Por seu turno, o líder do PSD falou em dar esperança aos portugueses nos próximos anos, mas mantendo o rigor nas contas públicas.

Na cerimónia de evocação do 34.º aniversário da morte de Sá Carneiro (então primeiro-ministro do PSD) e Adelino Amaro da Costa (ministro da Defesa, do CDS), Paulo Portas voltou a sublinhar a moderação por contraste à radicalização dos socialistas. “Quanto mais o PS virar à esquerda, mais a proposta da maioria deve ser centrada, moderada. Não é porque os países se governam de forma moderada, mas é porque o país precisa de realismo e bom senso”, afirmou Portas, na sessão, num hotel em Lisboa, remetendo para “tempo próprio” a decisão sobre a renovação da coligação.

“Quanto mais o PS quer virar a página, dizer para onde vai, como financia, mais a proposta, enquanto partidos da maioria, deve ser centrada no futuro. Se o passado é um risco que nos custou muito caro, devemos dizer às pessoas o que queremos para o país para o futuro, em termos de crescimento”, reforçou, depois de registar que o PS apresenta-se a “guinar à esquerda”, afirmando desconhecer se é para “captação de votos se é para política de alianças”.

Na sessão, onde foi exibido um vídeo com imagens dos dois políticos na época, Portas destacou que Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa, morreram na queda de um avião “ao serviço de uma ideia de Portugal” e que “não há dádiva mais extrema”. Este tributo foi partilhado pelo líder do PSD, lembrando que quando os dois políticos morreram PSD e CDS tinham “um Governo, uma maioria”, mas que não chegaram a ter um Presidente que “garantisse a viabilidade de uma Constituição compatível de uma democracia civilista e de uma economia não colectivista”.

Relativamente ao futuro, Passos Coelho não foi tão concreto sobre a estratégia eleitoral, mas deu pistas sobre o tom do discurso. Depois de lembrar que a dívida “foi contraída por outros”, o primeiro-ministro afirmou que “a disciplina nas contas públicas não é efémera, não é para um, dois ou três anos, deve permanecer para futuro e intensificar-se”. Mas falou também de esperança: “O que precisamos de fazer nos próximos anos é restituir a esperança aos portugueses, não estamos só a lutar contra a emergência mas acrescentar confiança e futuro aos portugueses”. Isso significa, revelou, bater-se pela “pela abertura da economia” portuguesa.