Já há finalistas para o Deutsche Börse Photography Prize 2015

Lista de candidatos inclui dois sul-africanos, uma holandesa e um russo.

Fotogaleria
Nikolai Bakharev
Fotogaleria
Nikolai Bakharev
Fotogaleria
Nikolai Bakharev
Fotogaleria
Nikolai Bakharev
Fotogaleria
Viviane-Sassen
Fotogaleria
Viviane Sassen
Fotogaleria
Viviane Sassen
Fotogaleria
Viviane Sassen
Fotogaleria
Viviane Sassen
Fotogaleria
Mikhael Subotzky
Fotogaleria
Mikhael Subotzky
Fotogaleria
Mikhael Subotzky
Fotogaleria
Mikhael Subotzky
Fotogaleria
Zanele Muholi
Fotogaleria
Zanele Muholi
Fotogaleria
Zanele Muholi
Fotogaleria
Zanele Muholi

A Photographers’ Gallery, de Londres, anunciou esta quarta-feira os quatro finalistas do Deutsche Börse Photography Prize 2015, um dos mais conceituados prémios de fotografia do mundo. São eles: Zanele Muholi (África do Sul), Mikhael Subotzky (África do Sul), Viviane Sassen (Holanda), e Nikolai Bakharev (Rússia). Na apresentação da lista de candidatos, a organização sublinhou a diversidade de atitudes em relação à forma como a imagem fotográfica é apresentada nos trabalhos de cada um dos nomeados.

Resultado da importância dos fotolivros na cena fotográfica contemporânea, há dois artistas nomeados pela publicação de novas obras: Zanele Muholi, pela publicação de Faces and Phases 2006 – 2014 (Steidl, 2014), retratos da comunidade LBGT sul-africana acompanhados por relatos de violência e discriminação, e Mikhael Subotzky, pelo monumental Ponte City (Steidl, 2014), trabalho hercúleo captado ao longo de seis anos e depois vertido em livro com a colaboração do editor da revista Colors, Patrick Waterhouse. O ensaio Ponte City centra-se no quotidiano de decrepitude daquela que foi uma torre de habitação de elite em Joanesburgo (o edifício residencial mais alto do país) e que hoje está votada ao quase abandono. São mais dois trabalhos que lidam com o difícil legado post-apartheid, um universo que tem ocupado muitos fotógrafos sul-africanos, como Pieter Hugo.

Viviane Sassen, uma das mais inventivas e respeitadas fotógrafas de moda da actualidade, é também criadora de ambiciosos e exuberantes fotolivros, mas foi nomeada pela exposição Umbra, patente no Nederlands Fotomuseum. A obra de Sassen pode ser vista actualmente na Photographers’ Gallery na exposição Analema: fashion photography 1992 – 2012, retrospectiva dos últimos 20 anos de trabalho.

O antigo mecânico e fotógrafo amador Nikolai Bakharev foi nomeado por uma exposição na 55.ª Bienal de Arte de Veneza que mostrava banhistas em praias e zonas de veraneio russas. As imagens, com um pendor ambíguo entre o erotismo e os limites dos costumes, entre o que é ou não permitido mostrar, foram captadas nos anos 80, quando na extinta União Soviética as imagens de nus ou corpos com pouca roupa eram proibidas e o quotidiano era um tema desprezado e pouco documentado.

Os trabalhos dos finalistas serão mostrados na Photographers’ Gallery entre 17 de Abril e 7 de Junho de 2015. O vencedor, que ganhará um prémio monetário de 38 mil euros, será anunciado no dia 28 de Maio. O júri que escolherá o vencedor é composto por Chris Boot (Aperture Foundation), Rineke Dijkstra (fotógrafa), Peter Gorschlüter (MMK Museum für Moderne Kunst), e Anne Marie Beckmann (curadora, Art Collection Deutsche Börse).

O Deutsche Börse Photography Prize (antes designado Citigroup Photography Prize) foi lançado em 1996 pela Photographers’ Gallery. Desde 2005 que conta com a parceria do Deutsche Börse Group. O seu principal objectivo é reconhecer e recompensar o trabalho de um fotógrafo vivo, de qualquer nacionalidade, que tenha contribuído de forma significativa para a fotografia na Europa nos doze meses do ano anterior. É um dos mais prestigiados do mundo e já atribuiu prémios a nomes cimeiros da fotografia contemporânea como Paul Graham, Jüergen Teller, John Stezaker, Boris Mikhailov, Robert Adams ou Andreas Gursky.