Emigração jovem: dados oficiais não contam tudo

Especialistas acreditam que o número de jovens que emigraram dos países do Sul da Europa seja o dobro do registado, porque muitos não alteram a residência. O projecto de investigação Generation E recolheu histórias de 1200 jovens emigrados desde que a crise financeira se instalou.

Foto

Nos últimos anos, a emigração portuguesa atingiu números que ultrapassam o máximo histórico registado no final dos anos 60, em plena guerra colonial. Desde 2010, mais de 200 mil portugueses entre os 20 e os 40 anos deixaram oficialmente o país (como emigrantes permanentes, por um período superior a um ano, ou temporários). E há razões para crer que as estimativas oficiais pecam por defeito.

A liberdade de circulação permitida pelo acordo de Schengen e a falta de registos oficiais de saídas dificultam a monitorização do fenómeno. “Estimar e caracterizar a emigração de um país requer que se compilem os dados sobre a entrada e permanência dos emigrantes desse país nos países de destino”, destaca o Relatório Estatístico da Emigração Portuguesa de 2014 sobre o facto de apenas serem feitos os registos da imigração. Só o número de entradas registadas nos três países com mais imigração portuguesa em 2013 - Reino Unido, Suíça, Alemanha, num total de 55.910 indivíduos - é mais elevado do que aquele que é apontado pelo INE para as saídas permanentes no mesmo ano para todos os destinos (53.786). Ficam números por contar. No livro Expulsions: Brutality and Complexity in the Global Economy, lançado em Maio de 2014, a socióloga e especialista em questões de migração e globalização Saskia Sassen refere-se aos casos daqueles que não entram para as estatísticas como “eventos invisíveis”. É o caso da emigração dos jovens emigrantes italianos. Segundo estimativas do website Fuga dei Talenti e a pesquisa da jornalista italiana Claudia Cucchiarato, autora do livro Vivo Altrove, as saídas de jovens italianos do seu país serão cerca do dobro das registadas pelo AIRE, o organismo responsável pela monitorização destes fluxos. "Um aspecto fundamental para quem deixa Itália é que, com o registo no AIRE perde, entre outras coisas, o direito à assistência médica", indica o site do Observatório dos Italianos em Berlim.O mesmo alerta é feito pela socióloga espanhola Amparo González, que liga a falta de dados fiáveis à ausência de estímulos positivos para que os emigrantes espanhóis se registem. Por enquanto, aqueles que mudam oficialmente de residência para outro país “perdem o acesso ao seu médico de família, depois de três meses a viver no exterior."
A tendência para a invisibilidade estatística foi confirmada pelo projecto

Generation E: 532 dos 1221 jovens emigrantes que participaram num inquérito lançado no início de Setembro não registaram oficialmente a sua mudança de residência. O projecto de investigação em causa foi desenvolvido por uma equipa internacional de jornalistas que pretende descortinar os fluxos invisíveis da emigração jovem dos países europeus mais afectados pela crise económica. “Quando a crise se generalizou no Sul da Europa, decidimos procurar algo mais para o Norte, algo que nos desse mais estabilidade”. Por essa altura, 2012, Joana Moreno estava a viver em Barcelona com o namorado. Tinha então 29 anos, uma experiência Erasmus em Milão, um bom emprego na capital catalã e o plano de regressar a Portugal “assim que a situação melhorasse”. Mas o plano teve de ser adiado. Ao verem os pais perder o emprego em Portugal, Joana e o seu companheiro não quiseram arriscar o mesmo futuro. Mudaram-se para a Suécia, onde já estão há dois anos, e dizem que valeu a pena, que “a vida melhorou bastante, profissionalmente e monetariamente”. Compraram apartamento no início de Setembro, e, de momento, é por ali que querem ficar.

Joana faz parte de uma geração activa, produtiva e fértil que tem deixado aos milhares os países do Sul da Europa nos últimos anos. Como ela, mais de 1200 pessoas entre os 20 e os 40 anos, de Portugal, Espanha, Itália e Grécia contaram a sua história ao projecto Generation E.

A emigração tem razões que a crise conhece

“Portugal é um óptimo exportador de mão de obra”, escreve Andreia Albuquerque a partir de Hannover, na Alemanha. Tem 27 anos, está a fazer o doutoramento em Ciências Biomédicas e sente-se melancólica por perceber que o país até a educou “bem, mas simplesmente não tem estrutura” para a empregar. A falta de oportunidades de emprego, transversal aos países sul-europeus, é o factor que mais tem levado os jovens a partir. Das 1221 respostas analisadas pelo projecto Generation E, 714 indicavam as questões laborais como factor determinante para a partida. José Pereira, designer de som de 28 anos, a viver em Londres, é um deles. Encontrou a realização profissional que ambicionava no Reino Unido e considera que a decisão de partir foi a correcta, embora gostasse “que não tivesse sido necessária”.

Partem famílias inteiras, ficam famílias em partes. “Foi duro, sair de casa e deixar os meus pais a chorar, os meus filhos nem se aperceberam bem do que se estava a passar”, conta Marco de Jesus, de 33 anos. Em Portugal “não sentia estabilidade suficiente para poder garantir aos dois filhos um futuro” e, por isso, empacotou tudo - “até as memórias” - e voou sozinho para a Alemanha. Trabalha numa empresa de gestão ambiental, diz que foi recebido de braços abertos. “Sinto-me em casa, mas sinto falta das minhas raízes, o Pedro e a Maria” - os filhos de sete e cinco anos que hão-de visitar o pai pela primeira vez no próximo Verão.


Se muitos vão por necessidade, outros dizem que é por opção. Para estudar, para seguir um amor ou simplesmente sair do lugar de conforto. Outros dizem que partiram porque já não aguentavam os constantes “escândalos de corrupção política, injustiças sociais, queixume e abatimento geral da população”. Depois há o factor contágio, conta Ricardo, engenheiro de vendas de 32 anos a viver no Reino Unido: “A partir do momento em que sai um amigo, saímos todos. Tinha um grupo de cerca de 20 amigos próximos que saíam sempre juntos. Agora só um é que ainda vive em Portugal.”

Fuga ou circulação?

Contactado pelo Generation E, depois da passagem pelo ISCTE, em Lisboa, no final de Outubro, aonde veio falar sobre Desigualdade de rendimentos, população e fluxos migratórios no século XXI,
Frédéric Docquier diz que “a selecção positiva e o ‘brain drain’ [fuga de cérebros] estão em ascensão”. O investigador belga justifica: “Os emigrantes são sempre selecionados positivamente (os que têm melhor formação têm mais propensão a mover-se do que aqueles que têm poucas qualificações) e são aqueles que têm mais capacidade de resposta a mudanças nas condições económicas e políticas”.

Conhecido internacionalmente pelas suas pesquisas sobre migrações qualificadas, o investigador e professor de Economia da Universidade Católica de Lovaina, na Bélgica, diz que “a emigração dos mais talentosos pode reduzir a produtividade dos trabalhadores que ficam, diminuir a taxa de inovação e adopção tecnológica e levar a perdas fiscais”. Por outro lado, Frédéric Docquier aponta também efeitos positivos da emigração nos países de origem, como os “investimentos no capital humano”, as “remessas económicas e políticas” e a redução dos custos de transacção entre países”.

Socióloga que estuda a mobilidade dos investigadores portugueses, Ana Delicado também acredita que a circulação de cérebros pode trazer ganhos ao país. Em entrevista ao site do Observatório da Emigração, explica: “É muito positivo, se houver circulação de cérebros. Ou seja, enquanto uns entram, outros saem, e uns saem e depois voltam… É muito melhor do que ficarmos todos cá, sem termos influências diferentes. Agora, é preciso que haja essa circulação de cérebros, e não só saída de cérebros, como está a acontecer”.O projecto Generation E tentou quantificar as intenções de regresso dos jovens emigrantes que responderam ao inquérito (mais de 80% das respostas correspondem a indivíduos com formação superior) e percebeu que entre eles há vontade – ou, pelo menos, esperança - de voltar. Mas não agora. Dadas as circunstâncias, num futuro próximo isso não é opção.

Saudades que se sentem no estômago


Quem sai pinta a vida lá fora com uma paleta diversa de experiências, vivências, expectativas, avanços e retrocessos. E com a ida vem a saudade, da “vida virada para fora” ao sagrado “cafezinho com os amigos”.
“Todos os dias repenso Portugal com carinho, saudade, revolta, rancor, esperança, de muitas formas,” conta Margarida Soares, bióloga de 31 anos emigrada na Suécia desde 2012. Sente falta das “sardinhas na grelha, do cheiro do mar, do nosso comércio tradicional e da conversa de ocasião, da espontaneidade e associativismo no Porto”. Espera voltar. Mas agora não é o tempo.

Investigação prossegue

A investigação continua no
website GenerationE.eu, onde é ainda possível participar no inquérito em português, italiano, espanhol, grego, inglês e alemão. O projecto pode ser acompanhado através de uma página do Facebook ou da hashtag #GenerationE no Twitter. Há também um grupo no Facebook para a troca de ideias e opiniões sobre a vida no estrangeiro. Os dados da investigação estão disponíveis sob uma licença CC-BY 4.0O “Generation E” é um projecto internacional de jornalismo de dados desenvolvido por Jacopo Ottaviani (coordenador), Daniele Grasso, Katerina Stavroula, Sara Moreira (autora deste texto) e Journalism++ Porto. São parceiros de media oficiais o P3 / Público (Portugal), Il Fatto Quotidiano (Itália), El Confidencial (Espanha), RadioBubble (Grécia) e CORRECT!V (Alemanha). O projecto foi viabilizado com um apoio do JournalismFund.eu.