Associação de professores quer suspender programa de Matemática do secundário

Na petição pública lançada esta terça-feira, a APM defende a avaliação e consequente ajuste do programa em vigor.

SPM identificou vários problemas na prova de Matemática B
Foto
SPM identificou vários problemas na prova de Matemática B Enric Vives-Rubio

A Associação de Professores de Matemática (APM) lançou esta terça-feira uma petição pública que visa suspender a implementação do programa de Matemática A do ensino secundário, homologado em Janeiro de 2014 e previsto para o próximo ano lectivo. Defende que, em vez de avançar para um novo programa que “contraria profundamente” o actual, o Ministério da Educação (MEC) deve proceder à avaliação do que está em vigor e proceder às alterações e aos ajustes que forem adequados.

No texto com que sustenta a petição, a APM acusa o MEC de ter procedido à homologação sem antes ter “proporcionado condições adequadas e tempo suficiente para um debate alargado e participado” e insiste nas críticas ao novo programa. Este “é demasiado extenso”, tem “conteúdos matemáticos desajustados e, sobretudo, com abordagens de ensino inapropriadas, excessivamente abstractas e formais (…) sem paralelo em currículos de outros países tidos como de referência” e “abandonados há décadas pelos maus resultados a que conduziram”, considera.

A APM considera ainda que o programa de Matemática A homologado em 2014  “não tem em conta a investigação realizada na área do ensino” da disciplina, nem “contempla adequadamente capacidades matemáticas fundamentais como a resolução de problemas, o raciocínio matemático e a comunicação matemática”, que considera “indispensáveis”.

Outro dos argumentos expostos diz respeito à própria calendarização do MEC para a implementação das alterações. Isto porque em 2015 chegam ao 10.º ano alunos que trabalharam com o programa para o ensino básico de 2007 e que não tiveram qualquer contacto com o de 2013, explica. “Juntos e com outros havemos de conseguir parar o desastre que se espalha no ensino da matemática neste país”, escreveu a presidente da APM, Lurdes Figueiral, no espaço reservado aos comentários da petição que, ao fim da manhã desta quarta-feira, tinha 240 subscritores.