Santana Lopes nomeia antigo director do Semanário para auditor da Misericórdia

Nas últimas semanas, o provedor da Misericórdia de Lisboa escolheu três ex-jornalistas para lugares de direcção na Santa Casa.

Daniel Rocha
Foto
Daniel Rocha

Rui Teixeira Santos, uma controversa figura da imprensa portuguesa, assumiu na semana passada as funções de coordenador dos gabinetes de Estudos e Planeamento e de Auditoria Interna da Misericórdia de Lisboa. O antigo jornalista, que é licenciado em Direito, foi director e proprietário do Semanário — um jornal que fechou em 2009 com dívidas aos trabalhadores, nove anos depois de a sua falência ter sido decretada em tribunal com os credores a reclamarem cerca de 25 milhões de euros.

Nos últimos anos, depois de várias experiências empresariais em diferentes ramos, tem-se dedicado ao ensino no grupo da Universidade Lusófona, instituição na qual se doutorou em Ciências Políticas, em 2008, com uma tese intitulada “Economia Política da Corrupção - O Caso dos Estados Lusófonos”.

No quadro da recondução da equipa dirigida por Santana Lopes, decidida pelo Governo no mês passado, foi também nomeado António Carneiro Jacinto, antigo jornalista do extinto semanário O Jornal e da SIC, entre outros, e antigo assessor de imprensa de Mário Soares na Presidência da República. Carneiro Jacinto assumiu as funções de director do Departamento de Empreendedorismo e Economia Social e ainda de presidente operacional do Banco de Inovação Social (BIS) e presidente do Conselho Executivo do Fundo BIS.

Estas estruturas de apoio à economia social tinham sido criadas há dois anos por Maria do Carmo Marques Pinto, uma especialista na área cuja comissão de serviço a Mesa decidiu não renovar. Até agora, Carneiro Jacinto era director do Gabinete de Relações Internacionais da Santa Casa, um serviço criado no ano passado e para o qual foi convidado por Santana Lopes.

O antigo jornalista, que foi administrador do instituto responsável pela promoção do comércio externo português, protagonizou também uma polémica, em 2006, quanto ao título de licenciado em direito que constava da sua biografia de conselheiro de imprensa na Embaixada de Portugal nos EUA e cuja autenticidade a Universidade de Lisboa desmentiu.

Igualmente nomeada no mês passado foi a nova directora do Departamento de Comunicação, a antiga jornalista da RTP Rita Tamagnini, que durante vários anos desempenhou as funções de assessora de imprensa de Fernando Teixeira dos Santos, então ministro das Finanças de José Sócrates.

No caso do Gabinete de Auditoria Interna, a sua anterior directora, Maria de São José Louro, pertence aos quadros da Misericórdia pelo que, segundo a directora de comunicação, vai “exercer funções na Escola Superior de Saúde de Alcoitão, reforçando o quadro de direcção”. O gabinete passará a ter um novo director, que ainda não foi nomeado. Entre os seis técnicos que actualmente integram o Gabinete de Auditoria conta-se Diogo Agostinho, um jovem economista, blogger, comentador do Expresso e apoiante de Santana Lopes, que foi contratado há poucos meses.

Já o Gabinete de Estudos e Planeamento vai continuar a ser dirigido por Luis Vallera, que exerce o cargo desde 2011. A coordenação dos dois gabinetes está já a ser assegurada por Rui Teixeira Santos.

O processo de reestruturação da estrutura dirigente da Santa Casa ainda está em curso, explica Rita Tamagnini, e tem como objectivo “dar novo fôlego a algumas áreas” da instituição. Quanto à generalidade dos dirigentes que se encontravam em funções até agora, a mesma fonte indica que “alguns concluíram as suas comissões de serviço, outros foram reconduzidos e outros ainda mudaram de funções”.