Miriam Lago
Foto
Miriam Lago

Megafone

PT pode fazer o maior despedimento colectivo de precários de sempre

As empresas recorrem ao “outsourcing” e descartam-se da responsabilidade sobre os trabalhadores, que é como quem diz, contratam o serviço e o resto (os trabalhadores) não interessa!

Diz que despedir é uma boa forma de poupar e reduzir custos. Pelo menos, na perspectiva da Portugal Telecom, que depois de distribuir milhares de milhões de euros entre os seus accionistas, prepara-se para realizar um despedimento colectivo no universo das 16.000 pessoas agora consideradas extras - as contratadas em "outsourcing".

O “outsourcing” consistiria na prestação de serviços para satisfação de determinadas necessidades transitórias. Por algum motivo, a PT tratou na última década serviços permanentes como transitórios e tornou o “outsourcing” um costume interno. E agora, como está em crise porque deu 900 milhões de euros ao BES, lembra-se do quão pró-poupança seria se se descartassem os trabalhadores subcontratados; esses mesmos que têm desempenhado funções consideradas de carácter permanente e de responsabilidade directa da PT. Depois de Bava e Granadeiro terem distribuído 11,5 mil milhões de euros aos seus accionistas nos últimos anos, agora vem o próprio Armando Almeida dizer que há que “libertar” a PT de custos extraordinários e colocar os próprios trabalhadores da empresa a desempenhar as funções que têm vindo a ser desempenhadas com recurso ao “outsourcing”. Agora é que dão por ela, a sério? Porque é que a PT não contratou directamente os trabalhadores, ao invés de recorrer ao “outsourcing”? Porque é que a PT tem 12 mil trabalhadores da empresa e 16 mil (a maior parte da força de trabalho da empresa) em “outsourcing”? Qual é afinal o esquema do “outsourcing”?

As empresas recorrem ao “outsourcing” e descartam-se da responsabilidade sobre os trabalhadores, que é como quem diz, contratam o serviço e o resto (os trabalhadores) não interessa!

Mas o que são empresas de “outsourcing”?Que tipo de contractos de trabalho têm os trabalhadores? Cada empresa de outsourcing tem a sua especialidade: as consultoras com a dita consultoria ou os “call-centers” com os serviços de “contact-center”. O que estas empresas vendem são soluções, dizem; ou serviços de excelência prestados por capital humano – como lhe chamam. Ou seja, no fundo, cedem trabalhadores de forma ilícita e com vínculos precários para proporcionar serviços a empresas como a PT que preferem não contratar directamente: fica caro e não dá para despedir tão facilmente. Entre trocas e mais trocas, criam-se (ou inventam-se) empresas intermediárias de contratação e subcontratam-se trabalhadores as vezes que forem precisas. E assim nos perdemos entre mil esquemas que parecem só servir para sugar o dinheiro do trabalhador em prol do lucro das empresas. Mil esquemas que fazem com que ninguém saiba, ao certo, o que é o “outsourcing” e para que serve. Dá jeito. Não teria havido os lucros que houve para os accionistas se a PT tratasse os seus trabalhadores como trabalhadores.

Falsas justificações usadas para manter falsos vínculos laborais permitem que empresas como a PT tenham 16.000 trabalhadores em regime do que se considera ser falso “outsourcing”. Dizem os entendidos que o Outsourcing é um processo de gestão bastante eficaz. A PT está a achar-lhe um jeitaço, antes na bonança, agora na tempestade. Mas, e os 16.000 de que a PT se quer agora descartar, o que dizem eles?