O professor que tinha ficado colocado em 75 escolas desta vez arrebatou 95 horários

Rui, que foi notícia por ter ficado colocado simultaneamente em 75 escolas, bateu esta segunda-feira o recorde. Até ao fim do dia recebeu 95 mensagens do Ministério da Educação a oferecer-lhe horários. Até que consiga recusá-los, ninguém entra para o seu lugar e os alunos continuam sem professor.

Foto

Da primeira vez, quando ficou colocado em 75 escolas, pediu o anonimato. Agora, identifica-se, porque diz que “já é demais”. Chama-se Rui Pinto Monteiro, tem 36 anos de idade, está a dar aulas em Biscoitos, na Ilha Terceira, nos Açores, e pede ao Ministério da Educação e Ciência (MEC), através do PÚBLICO, que faça o favor de o retirar das listas de colocação de professores. Diz que “não se aguenta”: ao primeiro telefonema de uma directora de escola a dizer que tinha ficado colocado, na manhã desta segunda-feira, pensou que era brincadeira de uma amiga; mas, ao segundo, estranhou e foi ao correio electrónico, onde foram pingando os avisos da Direcção-Geral da Administração Escolar (DGAE). Ao fim do dia eram 95. “Um novo recorde”, diz.

Na noite desta segunda-feira, Rui – a quem chamámos Fernando na primeira notícia – não sabia se havia de rir ou de chorar. Tem noção da gravidade do caso: por cada uma das 95 colocações, pelo menos uma turma de crianças de 21 alunos, no mínimo (ou seja, quase 2000 crianças) continuam sem professor. Mas estava a terminar um dia “de filme”, "cómico, se não fossem as consequências", pelo que não podia deixar de rir, também.

<_o3a_p>A gravidade resulta do cruzamento de dois factores: a sua situação pessoal (está nos Açores, que tem concursos próprios, e não quer regressar ao continente) e do mecanismo da BCE, que tem sido polémica desde o primeiro dia. Pela primeira razão, Rui já desistiu do concurso três vezes. Acontece que, embora não queira qualquer um dos 95 lugares que lhe estão a ser oferecidos, ao ser colocado Rui bloqueia as vagas. Ou seja, nem os seus colegas são colocados nem os alunos ficam com professor. Só depois de ele recusar o sistema notifica o candidato seguinte da lista. “E é aqui entra outro aspecto surreal desta história: é que, como já desisti, não consigo recusar”, explicou Rui. Mas isto só descobriu mais tarde.

<_o3a_p>"Centenas de chamadas não atendidas"
Depois do 1.º telefonema e do segundo e do terceiro, pôs o telemóvel no silêncio para ir dar aulas. Não tinha noção da dimensão do problema até reparar, horas depois, que tinha “centenas de chamadas não atendidas”. Isto porque a gestão das colocações passou esta segunda-feira do MEC (onde estava centralizada) para os directores, para ser “mais célere”. E cada um pretendia saber se ele aceitava ou não a colocação, para que Rui aceitasse e se apresentasse rapidamente ao serviço ou fosse à plataforma electrónica clicar no botão “recusar”, fazendo, assim, com que o sistema notificasse o candidato seguinte.<_o3a_p>

Como Rui não atendeu à primeira, das escolas ligaram mais uma, duas, três, quatro vezes...  Daí as centenas de chamadas. “Quando vi a quantidade entrei em pânico, nem queria acreditar. Ainda deliguei o telefone, por uns minutos. Mas não podia ser, tinha mesmo de atender”, conta.<_o3a_p>

“Parecia um filme”, portanto. Sentou-se e deixou que o telemóvel tocasse. E tocou. Enquanto falava com uma escola e explicava a situação começava a ouvir o sinal de chamada em espera. E foi assim, durante muito tempo. A todos foi explicando a situação e prometendo que iria à plataforma informática recusar a oferta, para que os directores pudessem ligar ao candidato seguinte da lista.<_o3a_p>

Acontece que, quando decidiu desligar o telemóvel e recusar, efectivamente, todos os lugares, apercebeu-se de que o sistema aceitara, finalmente a sua desistência do concurso. Ou, pelo menos, uma parte do sistema. A que envia de forma automática dois e-mails, um para o professor, outro para o director da escola, estava operacional. Mas, na sua página pessoal da DGAE, onde o candidato à vaga a pode aceitar ou recusar, não constava qualquer colocação e muito menos o tal botão em que devia clicar. “Mau! E agora, o que é que eu faço?”, perguntou-se.<_o3a_p>

Sem possibilidade de recusar a colocação
Voltou a ligar o telefone. E acrescentou uma terceira fase à conversa. Para além de explicar que não queria o lugar e que já nem estava a concurso, passou a dizer, também, que não podia desistir na plataforma. “Já não conseguia decorar de que ponto do país me ligavam. E como as direcções das escolas tinham o meu endereço electrónico, pedi que me enviassem um e-mail, para eu responder”, conta. <_o3a_p>

Escreveu, assim, um texto, e depois passou à fase “copy/paste” para as escolas que aceitaram gerir o processo daquela maneira:<_o3a_p>

“Bom dia,<_o3a_p>

Eu, Rui (…), portador do cartão de cidadão número (…), venho por este meio não aceitar o horário para o qual fui seleccionado na vossa escola/agrupamento, em virtude de já estar colocado. Mais informo que, uma vez que já desisti do concurso referente à BCE, na minha página da DGAE não se encontra disponível qualquer colocação, pelo que me é impossível proceder à aceitação ou à não aceitação.<_o3a_p>

Atentamente(…)”<_o3a_p>

Até à noite de ontem, Rui tinha recusado desta forma 27 colocações. <_o3a_p>

Teoricamente, o problema fica resolvido esta terça, já que ele (e qualquer outro candidato) tem de “aceitar” ou “recusar” a oferta de horário até 24 horas após a notificação. A questão é se, neste caso, acontece, realmente, assim. Ou seja, se o sistema informático consegue detectar que Rui não aceitou nem recusou a vaga e manda o e-mail para o candidato seguinte das listas. “Se assim não for,  continuarei a empatar o processo de colocação dos meus colegas – isto é de loucos”, comentou o professor. Depois, com sentido de humor, acrescentou que pede ao MEC que, "no caso de ler a notícia", "faça o favor" de o "retirar das listas" e de "o esquecer até ao próximo ano lectivo".<_o3a_p>

Rui estava a falar com o PÚBLICO quando verificou que tinha recebido `às 22h (23h no continente) a notificação para o 95.º horário, na Marinha Grande. “Provavelmente, isto já corresponde a colocações em horários que colegas meus recusaram e onde eu era o 2.º ou 3.º da lista. Se for assim, amanhã isto continua…”, comentou, preocupado.<_o3a_p>

Na noite de segunda-feira, Arlindo Ferreira, do Blog deAr Lindo (sobre Educação), já tinha detectado parte das múltiplas colocações. Algumas, notava, correspondiam a vários horários na mesma escola. No caso de os horários serem muito pequenos podem ser para o mesmo professor. Quando completos, destinam-se a outros tantos docentes. Da primeira vez, a maior parte das colocações de Rui foram em escolas do 1.º ciclo, em horários de 25 horas. As restantes em Educação Especial, com horários também completos (22 horas) e anuais. Desta vez, Rui não verificou que tipo de horários estavam em causa.<_o3a_p>

O ministro da Educação, Nuno Crato, tem estado debaixo de fogo devido ao atraso na colocação de docentes. Esta segunda-feira o primeiro-ministro confirmou que Crato chegou a pedir a demissão do cargo. Passos Coelho falou do assunto para reiterar a sua confiança no ministro e elogiar a forma como assumiu e resolveu os problemas da colocação de professores.<_o3a_p>