Em Frankfurt começou a corrida aos livros de Modiano

Na Feira de Frankfurt, o expositor mais concorrido nesta quinta-feira é o da editora do último Nobel da Literatura.

Fotogaleria
O editor alemão de Modiano cercado pelos jornalistas
Fotogaleria
Começa a corrida para a compra do seu último livro Pour que tu ne te perdes pas dans le quartier

Premonição? Numa das paredes brancas do espaço da editora francesa Gallimard, no stand que tem na Feira do Livro de Frankfurt, estão em destaque duas das novidades da editora na feira. Em letras vermelhas aparecem os nomes de J.M.G. Le Clézio, Prémio Nobel da Literatura 2008 e o anúncio do seu novo romance Tempête, e, por baixo, o nome de Patrick Modiano, Prémio Nobel da Literatura 2014, e o título do seu novo romance, Pour que tu ne te perdes pas dans le quartier, que saiu na semana passada em França.

Anne-Solange Noble, a directora da Éditions Gallimard para os direitos estrangeiros, não sabia para que lado se havia de virar. Estava a ir para um almoço com um editor indiano quando recebeu o telefonema com a novidade: Patrick Modiano, um dos autores que a sua editora representa, acabara de ganhar o Nobel. Por isso, o almoço com o editor indiano acabou por ser cancelado e a directora foi para o stand da Gallimard para festejar com os colegas. Rapidamente começaram a aparecer jornalistas e Anne-Solange teve de dar entrevistas, frisando sempre que não é a editora de Modiano. No entanto, coube-lhe a ela estar na feira e ser a porta-voz da editora francesa, já que é ela que vende os direitos das suas obras. O editor de Patrick Modiano é Antoine Gallimard, o director da Gallimard.

Quando lhe perguntamos se já falou com o agora Nobel é um pouco ríspida, mas é da atrapalhação de toda esta situação - “como poderia já ter falado, acabou de acontecer, ainda não”. Quando os jornalistas tentam saber mais sobre este novo livro, responde: “Não me obriguem a ser crítica literária. Leiam o livro, está aí, acabou de sair”. 

Não é a primeira vez que, na sua carreira, Anne-Solange Noble vê um dos autores do seu grupo editorial receber um Nobel, a única diferença é que, quando o prémio foi atribuído a Le Clézio, não estava a acontecer a Feira do Livro de Frankfurt. Nesse ano a feira aconteceu mais tarde e, quando vieram, já traziam um grande cartaz com a cara do Nobel.

E o que representa Patrick Modiano para a Gallimard? “Ele é um autor emblemático”, diz Anne-Solange Nobel. “Não é o único, mas é um dos autores que nos são fiéis desde o seu primeiro livro que publicou em 1968 e desde o início que os editores estrangeiros se interessaram pela sua obra. As suas primeiras traduções são dessa altura, por isso os editores estrangeiros não o descobriram recentemente”, afirma a directora. Neste momento o escritor está traduzido em 36 línguas.

Embora tenha medo de dizer banalidades, diz, para quem nunca leu o autor, que Modiano escreve romances “com uma atmosfera incrível": "Essa atmosfera modianesca passa de um livro para o outro como se a vida fosse feita de múltiplas facetas, e a pudéssemos olhar através de várias facetas. As diferenças entre umas e outras são subtis. Há personagens que não sabemos muito bem de onde vêm e no fim do livro não sabemos muito bem para onde vão. Entre as duas coisas muitas vezes não sabemos bem o que se passou e, no entanto, somos completamente agarrados por aquele registo.”

Quando Anne-Solange Noble chegou ao espaço da Gallimard depois de saber da notícia, nem só jornalistas a esperavam. Os editores italianos, espanhóis e até a portuguesa Cecília Andrade, a actual editora da Dom Quixote, onde em tempos foram publicadas obras do autor, já lá estavam. Agora começa a corrida para a compra do seu último livro Pour que tu ne te perdes pas dans le quartier. E claro que Anne-Solange Nobel vai estar muito mais atenta aos pedidos dos editores que anteriormente já compraram obras do agora Prémio Nobel da Literatura do que para aqueles que só agora o descobriram.