CP sem comboios para assegurar serviço na linha do Oeste

Sem material circulante disponível, as supressões têm sido diárias, deixando passageiros apeados nas estações sem qualquer informação.

Foto
Sandra Ribeiro

Em Setembro a CP suprimiu 14 comboios na linha do Oeste devido a falta de material. Estas supressões foram quase diárias visto que se concentraram na última quinzena do mês e mantêm-se agora no início de Outubro.

Fonte oficial da empresa diz que “estas supressões ficaram a dever-se a necessidades de imobilização de material circulante, que não foi possível antecipar” e que a frota disponível para o Oeste “não tem permitido, efectivamente, disponibilizar alternativas para substituir as unidades imobilizadas”.

Como parte das estações não têm pessoal em serviço, grande parte dos passageiros fica apeado, sem qualquer informação. A situação tem afectado, sobretudo, o eixo Caldas da Rainha – Torres Vedras. No Bombarral, por exemplo, estudantes e trabalhadores têm ficado em terra, sem transporte para a escola ou para o emprego.

Por outro lado, a supressão de um comboio leva a atrasos sistémicos em todos os outros por não haver automotoras que assegurem a rotação do material, o que se repercute em atrasos em toda a linha, levando passageiros com destino ao Porto e Beira Alta a perderem as suas ligações em Coimbra.

A Assembleia Municipal do Bombarral aprovou, por unanimidade, um voto de protesto proposto pelo PS local por a CP “continuar a desinvestir na linha do Oeste, não honrando o contrato de serviço público de transporte ferroviário celebrado com o Estado e prejudicando de forma flagrante os utentes da mesma”.

A CP responde que a situação deverá normalizar em Outubro porque pretende desviar para o Oeste uma automotora da linha do Alentejo (do troço Casa Branca – Beja). E que, logo que possível, reforçará a sua frota a sul com automotoras espanholas que alugou à sua congénere Renfe e que estão em serviço no Douro e Minho.

No entanto, estas unidades são também material envelhecido (já tinham sido desafectadas do serviço regional em Espanha) e igualmente sujeitas a avarias, como tem acontecido no Norte do país.

Nos últimos anos a CP abateu ao seu activo dezenas de automotoras a diesel que foram vendidas para sucata. Foi uma forma de poupar nos custos de imobilização de material e de obter alguma receita para os seus depauperados cofres. Só que esse material faz agora falta e obrigou a aumentar o número de automotoras alugadas a Espanha.

O abate de material diesel era também feito no pressuposto de que a Refer iria electrificar as linhas e que o futuro seriam os comboios eléctricos (os quais a CP tem disponíveis). Mas já não é seguro que este programa de modernização avance, sobretudo desde que se decidiu fundir a Refer com as Estradas de Portugal.

O PÚBLICO apurou que os investimentos de electrificação estão semi-paralisados na Refer por as Finanças ainda não terem dado o seu aval e devido às dúvidas provocadas pelo processo de fusão.

A futura mega-empresa Infrastruturas de Portugal EP, que juntará rodovia e ferrovia, terá uma lógica de gestão diferente da actual Refer, pelo que algumas electrificações previstas podem não avançar. Um autêntico drama para a CP – que não foi ouvida neste processo de fusão – que está sujeita a um parque de material diesel cada vez mais envelhecido e com reparações cada vez mais caras.