Passos Coelho afasta demissão imediata de Nuno Crato

PM não se alongou muito sobre o assunto.

Passos Coelho defendeu que nova tabela salarial representa um corte adicional de 500 milhões de euros
Foto
Passos Coelho defendeu que nova tabela salarial representa um corte adicional de 500 milhões de euros Nuno Ferreira Santos

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou nesta terça-feira que o ministro da Educação, Nuno Crato, regressará à universidade onde é professor, "mas não é agora".

À saída de uma cerimónia na Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, à qual Passos Coelho e Nuno Crato chegaram no mesmo carro, o primeiro-ministro disse aos jornalistas que o queriam questionar sobre educação: "Só para dizer que o senhor ministro da Educação e Ciência há-de um dia regressar à sua universidade, como ele próprio disse, mas não é agora".

Passos Coelho não fez mais declarações à imprensa.

Na intervenção durante a apresentação de um programa de mobilidade académica destinado a estudantes universitários norte-americanos, Nuno Crato fez referência à honra de pertencer à Universidade de Lisboa e ao facto de para lá voltar.

Sugerir correcção