No Amplifest o ruído é catarse

Ben Frost, Swans, Peter Brötzmann, Marissa Nadler, Yob. O primeiro dia da quarta edição do Amplifest, sábado, foi de todos eles. O festival continua este domingo, com ruído, peso e emoções em estado bruto nas doses certas.

Fotogaleria
Marissa Nadler Maria Louceiro
Fotogaleria
Swans Maria Louceiro
Fotogaleria
Ben Frost Maria Louceiro
Fotogaleria
Ben Frost Maria Louceiro

Não há muitos dias assim. Em algumas horas vimos uns portentos do doom metal chamados Yob; vibrámos com o saxofone endiabrado e vertiginoso de Peter Brötzmann, lenda viva do free jazz; deixámo-nos recolher pela solenidade fúnebre de Marissa Nadler; fomos varridos pelo barbarismo telúrico dos Swans e até abanámos a anca com o seu eterno líder, Michael Gira; confirmámos que Ben Frost está melhor do que nunca, com um espectáculo imersivo de electrónica brutalista que não é deste mundo e nos atira para fora dele.

Um resumo possível de sábado, o primeiro dia da muito concorrida (por portugueses e estrangeiros) quarta edição do Amplifest, festival da promotora portuense Amplificasom que ocupa o Hard Club durante este fim-de-semana. Um dia de concertos superlativos num alinhamento particularmente bem conseguido, coeso e sem gorduras, que cristaliza a filosofia do Amplifest: música desafiante que filtra as neuroses e o negrume dos tempos que correm sem se filiar a um só estilo; ruído versátil de embate físico e psicológico. Não há muitos festivais assim.

O arranque ficou a cargo dos Yob, trio americano de doom metal cujos riffs catedralescos tanto provocaram tremores de terra como estados de ascese numa sala quase cheia logo às 16h00. Seguiu-se Peter Brötzmann, acompanhado na bateria por Steve Noble, a provar por que é ainda, aos 73 anos, um dos nomes mais relevantes do free jazz: há pouca música libertária e alucinante como esta, capaz de extrair o que há de mais belo e excitante na dissonância e no ruído (e não faltavam corpos em transe entre o público, a tentar perceber que energia era aquela).

O desaceleramento foi feito com Marissa Nadler (em estreia nacional) e as suas canções de folk sombrio e melífluo, grande parte delas retiradas do seu mais recente e melhor disco, July, repleto de crónicas sobre amores falhados e outros tormentos, música confessional e purificadora. Ouvimos canções como Dead City Emily, Firecrackers ou Was It A Dream e, apesar do evidente nervosismo de Nadler, a sua voz, peça central no álbum, ganhou um tom ainda mais solene e fantasmagórico ao vivo, suportada pelo violoncelo e pelos sintetizadores atmosféricos de Janel Leppin.

Depois dos Pallbearer, os Swans deram um concerto de duas horas e meia em que apresentaram algum material nunca gravado. Já há poucos vestígios da irascibilidade indomável de Filth ou Cop, mas, em compensação, temos um Michael Gira mais espirituoso (até espalhou a palavra “love” na despedida). Houve marchas cerimoniosas da orquestra Swans com muita percussão primitiva e arfante a lembrar sessões de vudu, com Gira em danças e cantares ritualescos, e canções com groove roliço (nunca pensámos dizer isto dos Swans) e a tresandar a sexo, como se ouve no novo disco, To Be Kind. Mas descansemos: não faltaram os batalhões de guitarras contundentes e de ruído em alvoroço, coreografados ao detalhe para fazer saltar os músculos.

Pharmakon expurgou demónios com o seu noise gangrenoso, mas sem metade da visceralidade que tem em disco. Pelas 00h30, Ben Frost dava início a um concerto (ou distopia?) avassalador de electrónica punitiva e crepuscular, numa reinterpretação ao vivo do seu último disco, Aurora. O músico desconfigura e rasga a música de dança para a afundar em distorção dilacerante mas com propulsão rítmica – não foi por acaso que Thor Harris, percussionista dos Swans e um dos bateristas que participa em Aurora, se juntou a ele em palco.

Fomos dormir de ouvidos doridos, mas felizes. Este domingo o Amplifest continua com concertos de Wovenhand, Conan e Cult of Luna, entre outros.