Pode o design salvar ou destruir uma empresa? Depende da porta que se abra

Três designers e um gestor de marketing de São João da Madeira abrem o coração e partilham experiências. Rosário Costa, directora de Design da Lego, avisa que o design tem “muita força”.

Foto
Rosário Costa, directora de Design da Lego, diz que “os designers também precisam de ser estimulados” Adriano Miranda

Rosário Costa é directora de Design da Lego na Dinamarca. Avisaram-na logo que pôs os pés na Lego: “Vai levar um ano a saber o que é ser designer na Lego”. Passou um ano em formação, a perceber o trabalho em equipa, a interiorizar a cultura e filosofia da empresa. Rosário nasceu em São João da Madeira, estudou na Soares dos Reis, no Porto, seguiu para a Escola Superior de Artes e Design de Caldas da Rainha e partiu para Copenhaga para estudar Design pelo Erasmus. Há 17 anos entrou na casa mãe da Lego. Na sua primeira conferência em Portugal, na cidade onde nasceu, em São João da Madeira, a designer partilhou a sua experiência no debate Qual o Papel do Design nas Estratégias de Sucesso das Empresas e que juntou quatro são-joanenses na Oliva Creative Factory.

Rosário Costa conhece bem os cantos à casa que emprega quase 14.000 trabalhadores. Dá conferências em várias partes do mundo sobre a empresa que mantém o segredo daquele clique que se escuta quando duas peças Lego se encaixam e que garante a qualidade do produto. O papel dos designers não escapa nas suas intervenções. São mais de 180 na Lego. “O design tem muita força na empresa. Devido ao investimento no design, a Lego teve um crescimento consecutivo nos últimos nove anos”, revelou. E quem cria precisa de motivação, de ambientes estimulantes. “Os designers também precisam de ser estimulados. É preciso investir na educação do design para perceber o processo da empresa, mas a empresa também tem de se adaptar”.

O que nem sempre acontece. A designer Joana Santos bateu à porta de cerca de 20 empresas com uma marca de mobiliário na mão. Andou por Paços de Ferreira, por Paredes. “A ideia era envolver o fabricante nos protótipos e na comercialização”. Não resultou. “Ninguém nos abriu as portas”, lembra. Com o colega Hugo Silva, também designer, criou a marca DAM. A dupla deu-se bem. No ano passado, as mesinhas de cabeceira com chapéu de palha, o Nel e Maria, venceram, na sua categoria, a edição dos POP – Projectos Originais Portugueses de Serralves. Este ano, a DAM voltou a vencer o mesmo concurso com o Pipo, um pequeno banco ou uma mesa de apoio de cortiça, e que este mês esteve numa feira em Londres.

A criatividade e a viabilidade comercial dos produtos DAM têm despertado a atenção. A internacionalização foi um objectivo desde o início e Joana decidiu testar a máxima. “Se formos lá para fora, Portugal vem por arrasto”. Assim foi e hoje a DAM vende mais cá do que lá fora. “É uma marca consistente, coerente, forte, e com uma história para contar”. “O design está em tudo o que fazes”. Do produto à comunicação. No final do debate, um aviso. “Dizem que um designer pode salvar ou destruir uma empresa. Um designer é como outro funcionário qualquer”.

O toque de Midas
O gestor de marketing da empresa de calçado são-joanense Evereste, André Fernandes, trouxe uma mala de sapatos que circularam pela plateia como exemplos da evolução e inovação do calçado masculino ao longo dos anos. A empresa é familiar, André pertence à terceira geração e está preocupado. “Dizem que a primeira geração lança a pedra, que a segunda desenvolve a ideia e que a terceira estraga tudo. Se calhar a culpa é do design”, brincou.

A Evereste tem 72 anos e percebeu a importância do Design. Tem uma parceria com o estilista Miguel Vieira há 20 anos e outra com um gabinete de design italiano. “A evolução do design obriga-nos a ser mais competitivos”, admite. A procurar materiais, texturas, estilos. E para que tudo resulte, tem de haver cedências de parte a parte, de quem manda e de quem cria.

Hugo Costa irá apresentar a sua colecção de calçado no próximo Portugal Fashion, já em Outubro. Desistiu de engenharia de computadores para estudar design de moda e não se arrependeu. Dá aulas e garante que a formação permite chamar os alunos à realidade. As empresas, na sua opinião, precisam de olhar em mais direcções. “Muitas empresas não têm cultura de moda, não estão preparadas para o esforço de mudança de mentalidades”.

Será o design capaz de transformar em ouro tudo o que toca? Ricardo Figueiredo, presidente da câmara são-joanense, acredita que sim, que o design tem esse “toque de Midas”. “As empresas melhor sucedidas são as que incorporam mais inteligência”, disse no final do debate em jeito de remate.

Oliva, Sanjo e Viarco: resgastar a história com a prata da casa
O debate sobre o papel do design nas empresas foi uma das iniciativas do programa do Ciclo Industrial que assinala os 30 anos de elevação de São João da Madeira a cidade com conferências, música, exposições e cinema até perto do final do ano. Nesta comemoração não se atribui medalhas ou diplomas. A câmara decidiu reflectir sobre a sua história, discutir a cidade para abrir janelas para o futuro do seu território. E tudo feito com a prata da casa. O ciclo é comissariado pelo jornalista do PÚBLICO Amílcar Correia, também natural de São João da Madeira.

A 11 de Outubro, há concerto com Sensible Soccers e Prana na Casa da Criatividade, a partir das 21h30. A 17, no Museu da Chapelaria, às 21h30, discute-se o património na conferência “De que precisam as marcas para sobreviver? com José Miguel Araújo, dono da Viarco, a única fábrica de lápis do país, e o designer e professor Paulo Marcelo. O que é que a ciência pode fazer pelas cidades? é o tema em debate a 31 de Outubro na Escola João da Silva Correia, a partir das 21h30. A 7 de Novembro, pelas 18h30, é inaugurada a exposição Marcas da Memória: Oliva, Sanjo e Viarco que ficará na sala dos fornos da Oliva até 7 de Dezembro.

No mesmo dia, fala-se de qualidade de vida no salão nobre da câmara. O arquitecto paisagista Sidónio Pardal e Valente de Oliveira, ex-ministro do Planeamento e da Administração do Território, naturais de São João da Madeira, têm um tema para abordar: Existe qualidade de vida nas nossas cidades? O ciclo fecha com uma restropectiva do cinema do realizador são-joanense André Gil Mata.