Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

Calligrahy Practice: nesta aplicação, o dedo é um pincel

A edição 2014 do Prémio Nacional das Indústrias Criativas tem dez finalistas — e nós quisemos saber mais sobre eles. A Calligraphy Practice é uma aplicação para iPad que ensina caligrafia: só é preciso usar dois dedos

O vosso projecto é um dos dez finalistas da edição 2014 do PNIC. Como o descreveriam a quem nunca ouviu falar de vocês?

Calligrahy practice é uma aplicação para iPad que proporciona de uma forma fácil, intuitiva e lúdica aprender e praticar caligrafia. A interacção com o interface faz-se directamente com dois dedos sobre o ecrã. A Calligraphy practice é o único “software” no mundo que permite começar a desenhar um caracter com uma determinada inclinação e terminar com outra, bem como rodar o aparo, ou pincel caligráfico, enquanto se escreve ou desenha — isto em tempo real e correspondendo à rotação da mão. Esta abordagem funciona do mesmo modo que os materiais tradicionais de caligrafia e produz as mesmas variações de espessura próprias do desenho de letra, que aqui são realizadas da mesma forma instintiva e natural do que a caligrafia tradicional. Este instrumento também apela a profissionais de design e “lettering”, pois permite exportar o trabalho em formato vectorial para ser posteriormente trabalhado no computador, sem qualquer conversão ou perda de qualidade.

Em que é que a vossa empresa difere de outros projectos semelhantes? 

PÚBLICO -
Foto
DR

Acreditamos que temos, claramente, o melhor sistema digital de aprendizagem e prática da caligrafia. Este sistema vai competir principalmente com os livros que ensinam caligrafia e não só é superior como, a 1,79 euros, muito mais barato. O pincel caligráfico digital, desenvolvido e patenteado nos Estados Unidos, é o único no mercado que tem a versatilidade e flexibilidade correcta que permite uma aprendizagem efectiva e uma prática sem quaisquer constrangimentos. Os utilizadores podem aprimorar os trabalhos realizados com a “app” Caligraphy Practice através da exportação por e-mail do ficheiro em formato PDF, editável em “software” de desenho gráfico.

PÚBLICO -
Foto
DR

 

O prémio para o vencedor desta edição são 25 mil euros. Caso vençam, como contam investir o dinheiro?

Temos várias áreas onde investir o dinheiro, que claramente potencializam o nosso projecto: construção da versão da "app" para Android, o que irá expandir muito a abrangência do mercado; implementação de outros alfabetos (grego; cirílico; árabe); utilizar o mesmo sistema de desenho aplicado a outros públicos-alvo (tatuadores, grafiters, crianças) e com isto desenvolver outras aplicações; divulgação e marketing.

 

O que faz falta às indústrias criativas portuguesas?

Acreditar, não apenas do lado dos criadores mas também dos investidores e parceiros. Em Portugal temos ideas fantásticas mas nem sempre acreditamos nelas ou não conseguimos que os outros acreditem. No entanto, nos últimos anos, Portugal tem evoluído muitíssimo neste campo.

 

Se o vosso projecto fosse a uma entrevista de emprego e lhe perguntassem onde vai estar em 2010, o que responderiam?

Em 2020 seremos uma marca reconhecida mundialmente pela qualidade da nossa gama de produtos na area da prática e educação e da caligrafia. Estaremos em todas as universidades de design gráfico e o nosso sistema estará integrado com os mais avançados programas informáticos de criação de fontes (tipos de letra para o computador). Será reconhecido nas escolas de ensino primário e secundário e ensino especial, como a forma mais eficiente e motivadora para o ensino da caligrafia. A nossa tecnologia patenteada estará licenciada às maiores empresas de "software" internacionais, onde o nosso pincel caligráfico será integrado naturalmente com os restantes instrumentos de desenho.

 

Artigo actualizado às 18h27 do dia 5 de Setembro de 2014