Reabilitação de obra de Marques da Silva, no Porto, ganha Prémio João de Almada

Júri premiou renovação de edifício projectado nos anos 20 pelo famoso arquitecto na Rua Alexandre Braga.

Foto
Edifício foi projectado por Marques da Silva entre 1923 e 1928 Miguel Nogueira

A Fundação Marques da Silva avançou com a recuperação, para arrendamento, de um prédio na Rua Alexandre Braga desenhado nos anos 20 pelo arquitecto cuja obra estuda e divulga. A intervenção foi premiada com o prémio João de Almada, anunciou esta terça-feira a Câmara do Porto, que promove este galardão como forma de dar visibilidade a bons exemplos de reabilitação urbana.

“O Júri, presidido pelo Vereador da Cultura, Paulo Cunha e Silva, decidiu atribuir, por unanimidade, o Prémio João de Almada 2014 à recuperação do edifício na Rua Alexandre Braga, nº 94, da autoria dos arquitectos Francisco Barata, Nuno Valentim e José Luís Gomes, do Centro de Estudos da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, e propriedade da Fundação Instituto Arquitecto José Marques da Silva (FIMS), por considerar que constitui o melhor exemplo de uma recuperação discreta e atenta, num imóvel simbólico, associado a uma frente urbana de características notáveis”, explica a autarquia em comunicado.

José Marques da Silva projectou este edifício entre 1923 e 1928, para seu próprio rendimento. Na posse da FIMP, o imóvel agora reabilitado tinha várias patologias decorrentes da passagem do tempo e da falta de manutenção, que afectavam sobretudo as partes mais próximas da cobertura do edifício, acrescenta a autarquia.

Para além deste primeiro prémio, o júri, que inclui representantes de várias entidades como a Direcção Regional de Cultura do Norte, a Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, a Ordem dos Arquitectos e a Associação Regional de Protecção do Património Cultural e Natural, atribuiu, também por unanimidade, uma menção honrosa à recuperação de um edifício na Rua de António Cândido, 167-187, da autoria de Adriano Pimenta e Octávio Queirós, e outra menção honrosa ex-aequo às obras num imóvel na Rua de Fernandes Tomás, 539, dos arquitectos Vitório Vasconcelos Leite e Catarina Ribeiro e à intervenção na Rua do Almada, 528-530, da arquitecta Cristina Campilho.

O Prémio João de Almada foi instituído em 1987 para incentivar e promover a recuperação do património arquitetónico do Porto. É atribuído pelo município ao melhor exemplo de reabilitação que tenha sido concluído na cidade, durante o período de dois anos a que cada prémio se refere.

O prémio tem o valor de oito mil euros, repartidos pelo arquitecto (seis mil) e pelo dono do imóvel (dois mil). Em Outubro decorrerá a exposição dos trabalhos concorrentes a esta edição, assim como a cerimónia de entrega do prémio que já foi ganho por obras como a da recuperação do Edifício do Círculo Universitário do Porto, de Fernando Távora, logo em 1990, do Teatro Nacional de São João (João Carreira), e da ilha das Aldas (Pedro Mendes), entre outros.