Torne-se perito

Programa para a rentrée do Maria Matos: música com cinema, Sun Ra e o terramoto de 1755

O centenário de Sun Ra e o aniversário do mais violento desastre natural de Lisboa na agenda do teatro municipal.

Fotogaleria
O Maria Matos vai dedicar o dia 18 de Outubro a Sun Ra PEDRO LOURENÇO
Fotogaleria
Os Peixe:Avião musicaram Ménilmontant, de Dimitri Kirsanoff JOÃO BRITES
Fotogaleria
Jibóia juntou-se a Filho da Mãe para responder com som a In the Land of Headhunters, de Edward S. Curtis JOÃO BRITES
Fotogaleria
Simon James Phillips vai estrear no Panteão Nacional uma peça inspirada no terramoto de 1755 VERA MARMELO

Filmes que deram e darão concertos; encontros desejados, finalmente concretizados e por fim recuperados; celebrações inescapáveis e novos sons para contar velhas histórias. Tudo no Teatro Maria Matos, em Lisboa, entre Setembro e o primeiro dia de Novembro.

Será ali que o público mais a Sul poderá ver o que andaram a fazer Peixe:Avião e Filho da Mãe & Jibóia no último Curtas Vila do Conde. Honrando a tradição do festival, inspiraram-se em imagens cinematográficas para criar música nova. Os Peixe:Avião retalharam e reconfiguraram parte da sua obra para acompanhar Ménilmontant, filme realizado por Dimitri Kirsanoff em 1926. Filho da Mãe juntou-se a Jibóia para responder com som a In the Land of the Headhunters, obra realizada em 1914 por Edward S. Curtis, etnólogo e fotógrafo, junto da tribo Kwakwaka’wakw. Os filmes-concerto terão lugar a 20 de Setembro.


Uma semana depois, a 27, veremos como se concretiza em palco o encontro entre o veterano britânico Mike Cooper, pesquisador da guitarra em contexto folk e blues, músico progressista que juntou a electrónica ao apelo telúrico, e um seu fervoroso admirador, o americano Steve Gunn. Em 2013, tocaram em conjunto no Out.Fest, no Barreiro. Seguiu-se a gravação num estúdio lisboeta de Cantos de Lisboa e surgirão agora em palco composições como Saramago ou Pena panorama, num concerto em que o duo de guitarristas será acompanhado pela bateria de Afonso Simões (Gala Drop) e pelo violoncelo de Helena Espvall.

Já em Outubro, dia 18, a celebração do 45.º aniversário do Maria Matos faz-se festejando uma data ainda mais redonda. 100 Ra. Por todo o teatro, o dia será dedicado ao mítico músico jazz que completaria este ano um século de vida. Entre as 16 e as 20h, Bruno Pernadas, Nuno Rebelo, os Gala Drop e Mo Junkie farão música para Sun Ra, inspirada em Sun Ra – iremos ouvi-la na sala principal, no café, no foyer.

Nessa altura, Simon James Phillips estará já a trabalhar. O pianista australiano radicado em Berlim passará a temporada 2014/2015 em residência artística no Maria Matos. Dia 1 de Novembro, o de Todos-os-Santos, aquele em que, em 1755, Lisboa sofreu o mais violento desastre natural da sua história, estreará no Panteão Nacional O Depois, peça para instrumentos de sopro inspirada no terramoto de há dois séculos e meio.  

Sugerir correcção