Academia Latina distingue Carlos do Carmo com Grammy pela sua obra

É a primeira vez que um português recebe a distinção.

Foto
A Academia descreve Carlos do Carmo como “um dos maiores fadistas do seu tempo” Nélson Garrido

Carlos do Carmo, um dos nomes históricos do fado, vai receber em Novembro um Grammy pela sua obra. A decisão foi tomada por unanimidade pelo Conselho Directivo da Academia Latina (Latin Academy of Recording Arts and Sciences) e foi comunicada directamente ao cantor na tarde de segunda-feira, 30 de Junho, e anunciada nesta terça-feira oficialmente à imprensa. É a primeira vez que um português recebe tal distinção.

No comunicado da Academia, que refere Carlos do Carmo como “um dos maiores fadistas do seu tempo” — realçando a influência da mãe, Lucília do Carmo, na sua carreira —, diz-se que as afinidades pessoais do cantor com a canção francesa e a bossa nova criaram nele “um inequívoco e definitivo estilo que o distingue como uma das mais icónicas vozes da música portuguesa”. A Academia refere ainda o papel-chave de Carlos do Carmo na bem-sucedida candidatura do Fado a Património da Humanidade.

Esta notícia é conhecida num momento em que ainda se celebram os 50 anos de carreira do cantor, comemorados com reedições históricas, concertos, um disco de parceria com fadistas das novas gerações (Fado É Amor) e uma exposição na Cordoaria Nacional.

O Grammy Lifetime Achivement Award, anunciou hoje a agência do cantor, será entregue a Carlos do Carmo no MGM de Las Vegas, EUA, no dia 19 de Novembro, mês em que, segundo a mesma fonte, se estreará um documentário sobre a sua vida.