Cavaco quer entendimento entre Governo e oposição até ao Orçamento

Chefe de Estado faz ultimato aos partidos, chamando-os para um compromisso e pedindo-lhes que ponham o “superior interesse nacional” acima dos interesses partidários.

Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda

O Presidente da República já estabeleceu o prazo: o próximo Orçamento do Estado, ou seja, o início de Outubro. Até lá, Cavaco Silva quer um “entendimento partidário de médio prazo” sobre a sustentabilidade da dívida pública e sobre as reformas para estimular a competitividade da economia. Para evitar que os portugueses tenham que voltar a “pagar um preço muito elevado”.

Este tem de ser um compromisso com uma perspectiva temporal “mais ampla”, que vá além das “vicissitudes partidárias ou de calendários eleitorais”, ultrapassando a barreira dos mandatos dos governantes. Porque são do “tempo longo” – termo que agora o chefe de Estado tem por hábito usar – os desafios que o país enfrenta.

Esta espécie de ultimato foi deixada pelo chefe de Estado ao início da tarde desta terça-feira na sessão solene das comemorações do Dia de Portugal, que decorreram na Guarda. Depois da cerimónia militar no Parque Urbano do Rio Diz, à entrada da cidade, em que Cavaco Silva se sentiu mal e houve uma manifestação de protesto contra o Governo, as condecorações tiveram lugar no Teatro Municipal.

É “responsabilidade” das forças partidárias e das suas lideranças, fez questão de vincar o Presidente da República, cumprir o direito que os portugueses têm de esperar que a classe política, independentemente da sua posição, adopte uma “atitude e cultura” que coloque o interesse nacional acima dos interesses partidários. E que “sejam capazes de ultrapassar as divergências do tempo curto dos ciclos políticos e eleitorais”.

O discurso de Cavaco Silva foi centrado no pós-troika e deixou uma série de recados para o Governo e para a oposição. Mas as palavras que proferiu acabaram por não ter alguns reparos que o Presidente tinha escrito numa versão inicial do discurso.

“É fundamental evitarmos os erros do passado. Não podemos voltar a uma situação como aquela que vivemos quando fomos obrigados a recorrer ao auxílio externo. Repito: devemos estar atentos”, vincou o Presidente da República.

“Os desafios que temos diante de nós só podem ser vencidos através de uma cultura de compromisso”, apontou Cavaco Silva já quase no fim do discurso. “Adiar por mais tempo um entendimento partidário de médio prazo sobre uma trajectória de sustentabilidade da dívida pública e sobre as reformas indispensáveis ao reforço da competitividade da economia é um risco pelo qual os portugueses poderão vir a pagar um preço muito elevado”, avisou o Presidente.

Foi então que colocou as suas condições em cima da mesa. “O tempo de diálogo que se estende agora até à discussão do próximo Orçamento do Estado será o mais indicado para que as forças políticas caminhem no sentido da concretização do direito à esperança dos portugueses, numa perspectiva temporal mais ampla, situada além de vicissitudes partidárias ou de calendários eleitorais. É essa a responsabilidade das forças partidárias”, afirmou.

Esse direito dos portugueses, como lhe chamou o Presidente, é o de esperar que as principais forças políticas e as suas lideranças adoptem uma atitude e uma cultura em que o superior interesse nacional seja colocado em primeiro plano.

Depois dos três anos de troika, com o final do programa no passado dia 17 de Maio, durante o qual os portugueses deram “prova de um notável sentido patriótico de responsabilidade”, o corrente ano “abre um caminho de esperança”, disse Cavaco Silva. “Mas, para ter esperança no futuro, devemos continuar a trabalhar no presente”, realçou, acrescentando que não se pode ficar à espera, “passivamente” que a situação mude por si. “Cada um tem de contribuir para que a esperança de todos se realize”.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações