Morreu José Barata, o último sobrevivente da Revolta dos Marinheiros de 1936

Desaparece aos 97 anos o último militar vivo que participou no levantamento a bordo de navios da Armada em desafio ao Estado Novo.

José Barata (à dir.) em 2006 nas comemorações dos 70 anos da revolta de 1936
Foto
José Barata (à dir.) em 2006 nas comemorações dos 70 anos da revolta de 1936 Nuno Ferreira Santos

O sargento-ajudante José Barata, o último sobrevivente da Revolta dos Marinheiros de 1936, morreu neste sábado, em Oeiras, aos 97 anos, informaram à agência Lusa um amigo e o presidente da Associação Nacional de Sargentos (ANS). José Barata faleceu de madrugada no lar das Forças Armadas.

O militar, condecorado em 1999 pelo então Presidente da República, Jorge Sampaio, com o grau de comendador da Ordem da Liberdade, participou na Revolta dos Marinheiros, de 8 de Setembro de 1936, tendo sido deportado para o campo de concentração do Tarrafal, em Cabo Verde, onde cumpriu 11 de 15 anos de pena de prisão. José Barata cumpriu o resto da pena, depois de ter sido operado, no Forte de Peniche.

Em 2009, o militar e outros colegas foram homenageados pela Câmara Municipal de Almada, que inaugurou, na localidade do Feijó, o Monumento ao Marinheiro Insubmisso.

O presidente da ANS, Lima Coelho, recordou à Lusa, com "grande tristeza", o "elevado exemplo de convicções, de grande humildade perante a vida" de José Barata.

O militar era sócio da Associação Nacional de Sargentos, da Associação de Praças e do Clube de Praças da Armada.

O corpo de José Barata vai estar em câmara ardente na Igreja Nova Oeiras, de onde seguirá na segunda-feira de manhã o funeral, com honras militares, para o cemitério de Oeiras.