Pires Vieira, o artista provocatório que o Museu do Chiado nos quer dar a conhecer

A primeira antológica do artista plástico, até agora desconhecido de grande parte do público, inaugura esta sexta-feira em Lisboa

Fotogaleria
As obras mais antigas de Pires Vieira estão em destaque nesta exposição DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

Try and try and try again (tente e tente e tente outra vez) lê-se ainda no outro lado da parede. Estas mensagens estão em duas obras de Pires Vieira, cuja primeira antológica se inaugura esta sexta-feira no MNAC, dando-nos pistas para a leitura desta exposição: nem tudo o que parece é.

É preciso olhar uma e outra vez. Pires Vieira (n.1950) não quer que as pessoas se limitem a observar as obras mas quer que façam uma reflexão permanente. O artista mostra e esconde ao mesmo tempo, questiona e deixa-nos a pensar. Se ao entrar no MNAC reparámos nas mensagens que nos deixou em obras de chapa acrílica e óleo sobre tela, cá em baixo desperta-nos a curiosidade com a obra Porta I, II, III. É uma representação de portas de saída de emergência que nos obriga a espreitar e a imaginar o que ali há por trás.

“Quero provocar o espectador com esta dualidade de situações”, diz o artista plástico aos jornalistas na apresentação da exposição que assinala também os seus 45 anos de carreira.

Para o director do MNAC, David Santos, Antológica. Da Pintura à Pintura é uma das grandes apostas da programação deste ano. Era uma exposição há muito tempo ambicionada mas que só agora foi possível. “Pires Vieira é um dos grandes artistas portugueses”, referiu David Santos, destacando a grande qualidade da sua obra. “O trabalho de Pires Vieira é muito consolidado e esta exposição vem colmatar uma lacuna importante”, continuou o director, esperando que “esta antológica seja o ponto de partida para outras entidades mostrarem a obra do artista”.

Apesar de ser um nome histórico da arte contemporânea portuguesa e de estar há muito tempo representado na colecção do MNAC, Pires Vieira é ainda um desconhecido para muitos. Para a curadora Adelaide Ginga, responsável por esta antológica, isto acontece pelo “percurso muito próprio” que o artista tem seguido, “afastado do circuito normal da arte”.

“O facto de ter assumido uma postura liberta de convenções e de ter procurado manter-se independente dos preceitos estabelecidos ‘no meio das artes’, contribuiu para um desconhecimento da sua obra”, explica a curadora no seu texto de apresentação da exposição que reúne 42 obras que percorrem a carreira de Pires Vieira, da década de 1960 até aos anos mais recentes.

No Chiado estão algumas das obras que Pires Vieira expôs no pós-25 de Abril em mostras individuais na Galeria Quadrum e colectivas, como a exposição itinerante Pena de Morte, Tortura, Prisão Política, em 1976, e na histórica iniciativa de Ernesto de Sousa Alternativa Zero, de 1977.

Para Pires Vieira, ao fim de 45 anos de trabalho, ver agora a primeira antológica da sua obra acontecer “é como chegar ao terceiro período do ano escolar e fazer uma revisão da matéria dada”. “Para mim não tem nenhum significado consagrativo”, disse o artista. “Estar aqui é uma oportunidade para olhar para o que fizemos e ficarmos agradados ou não”, continuou Pires Vieira, mostrando-se feliz com o resultado final. “Senti que afinal as coisas fizeram sentido. A prática é o caminho.”

Para a semana, no sábado dia 14, uma outra parte da obra de Pires Vieira, nomeadamente os seus trabalhos em papel, estará exposta na Fundação Carmona e Costa, que estabeleceu uma parceria com o Museu do Chiado “por forma a contemplar uma visão de conjunto do percurso criativo do artista”.