João, 12 anos, e Serralves em Festa: “A cultura não é uma coisa ou é outra, é o total”

A 11.ª edição do Serralves em Festa bateu recordes e foi a mais visitada de sempre, com 140 mil pessoas para ver 40 horas consecutivas de espectáculos, exposições, performances, música e teatro.

Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

João Isidoro tem 12 anos, gosta de música, quer ser cientista quando crescer. Há quatro anos que vem com o avô Manuel ao Serralves em Festa, que este fim-de-semana voltou a apresentar um programa recheado, 40 horas sem parar e sem cobrar bilhete. “Não se pode dizer que a cultura é uma coisa ou que é outra, a cultura é o total”, diz-nos João assim, de forma desarmante, sem floreados, enquanto espera, frente à casa de Serralves, pela peça de três personagens mascarados de velhotes que tanto partilharão um banco de jardim como um assalto a um multibanco em nome de uma velhice digna – Agitación Senil, do Vagalume Teatro da Andaluzia.

João tem mais para contar. “Gosto muito destes espectáculos que são bons para aquelas pessoas que passam os dias fechadas nos escritórios a trabalhar e aqui têm oportunidade de contactar com a natureza e com tudo o que as rodeia”. Os pais ficaram em casa e João veio com os avós e com a irmã Cecília, de oito anos, mais tímida. “Gosto das experiências, dos espectáculos, um pouco de tudo”, resume a menina ao lado do desenvencilhado irmão. No sábado de manhã, o avô Manuel Oliveira fez mais de 80 quilómetros da Gafanha de Aquém, em Ílhavo, até Serralves, no Porto. “Acha que se não valesse a pena, viríamos de tão longe?” Faz questão de abrir horizontes aos netos e fica contente com o que vê no Serralves em Festa, que, na sua opinião, já conquistou um estatuto de “nível mundial”. “Não gosto da palavra democratização. Democratização da cultura? Prefiro dizer que Serralves em Festa é uma festa para o povo”, afirma. Mostra-nos as palmas das mãos. “Aqui estão os meus diplomas. Tenho a quarta classe, fui operário fabril, trabalhei nas obras. Gosto de vir aqui, gosto que os meus netos vejam coisas como estas.”

Serralves em Festa, cheio de espectáculos, performances, exposições, teatro e música, voltou a juntar milhares neste sábado e domingo sob o tema Terreno Comum. Famílias, muitas crianças, casais, novos e velhos, portugueses e estrangeiros – sobretudo espanhóis -, espalham-se pelos espaços verdes, pelo museu, pela biblioteca, pela Casa de Serralves. A 11.ª edição da festa tem um sabor especial por marcar o início do programa de comemorações dos 25 anos da fundação e dos 15 anos do museu, mas também porque superou as expectativas. Até às 18h deste domingo passaram por Serralves cerca de 126 mil pessoas, superando assim os 102 mil visitantes de 2010 - que até agora tinha sido a edição mais participada de sempre - e os 90.514 da edição de 2013. Os números foram entretanto actualizados para um total de 140.724 visitantes.

Julieta Rodrigues dá um jeito ao cenário para o espectáculo da tarde. O da manhã correu muito bem. Há cafeteiras penduradas, livros, malas, flores, buzinas, numa espécie de casa transparente que é também uma nave onde cabem todos as peripécias e sonhos do mundo. A estreia de Projecto Secreto, da Companhia Radar 360.º, acontece em Serralves com um homem e uma mulher do século XIX num cenário que roda 360º. Teatro físico polvilhado de comédia. Julieta tem duas perspectivas de Serralves - é espectadora e intérprete. Como investigadora de artes de circo, explica que é uma oportunidade para ver projectos internacionais. Vestindo a segunda pele, admite que precisa de concentração num espaço com muita informação. “Temos um público com imensa sede de ver coisas, muito disponível. Temos de saber gerir imensas distracções. É uma festa, temos de nos concentrar e viver esta festa”, refere. Ali ao pé está a Companhia Visões Úteis com um jogo animado que coloca duas equipas de óculos que distorcem as cores das bolas. Jogo comentado em directo por um jornalista de desporto e um investigador de teatro sentados em cadeiras altas. As duas equipas têm de colocar as bolas nos cestos que rodam conforme as cores. Há uma equipa portuguesa e uma equipa espanhola. Não interessa o resultado e a animação acontece dentro e fora de campo.

“Custo zero, ambiente magnífico”

Na clareira das bétulas, há dança contemporânea. Um grupo de jovens desconstrói gestos e tenta exteriorizar o que vem das entranhas, numa dança que parece querer medir forças entre os intervenientes. Ricardo Pinhão veio com os dois filhos, Mara de quatro e Artur com quase dois. É a primeira vez no Serralves em Festa. Os elogios de amigos convenceram-no a fazer-se à estrada com a família desde Albergaria-a-Velha. Serralves reúne o que acha importante. “Gosto da actividade cultural e que os meus filhos contactem com culturas diferentes, com coisas criativas. Neste caso, é a custo zero e num ambiente magnífico.” 

Há performances para ver e performances para experimentar. O encenador e compositor Graeme Miller trouxe Track a Serralves depois de ter apresentado o conceito na última edição do Meo Imaginarius – Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira. Track é uma nova forma de ver a paisagem em estruturas que permitem viajar na horizontal com os olhos postos no céu. Iris Lopes, de sete anos, acaba a sua viagem. “Foi bom, vi muita coisa bonita, passarinhos a cantar”, conta. Confidenciou à avó Maria de Jesus que tinha sido relaxante. A avó não perde Serralves em Festa. “Perco-me aqui”, confessa.