UKIP, o partido que começou como uma piada, pode ficar em primeiro

O partido anti-União Europeia sobe cada vez mais, mas o verdadeiro vencedor é a abstenção, numas eleições em que até apoiantes da União Europeia hesitam se irão votar.

Quando pensa na situação de hoje, Steve abana a cabeça e abre muito os olhos azuis. “O UKIP começou como uma piada. Ninguém os levava a sério!”, garante, em frases curtas, o frenético londrino.

“É assustador ver que as pessoas realmente votam neles”, comenta Steve, que se descreve a brincar como “um anónimo encontrado na estação de Tooting”, Sul de Londres, já na zona três do metro, ou seja, já bastante longe do centro. Também diz que é “leigo” em política, mas percebe por que é que as pessoas se viraram para este partido: “Eu, por exemplo, sempre votei Lib Dem – porque trabalhistas e conservadores estão praticamente iguais. Mas não gosto do que fizeram no Governo. Votar neles deixou de ser uma opção para mim, e também para muita gente.”

Numa altura em que os políticos parecem não dizer nada a ninguém, Nigel Farage, o líder do UKIP (UK Independence Party) parece alguém que tem um ideal a defender. “Não é desculpa, mas acho que é uma justificação”, diz Steve, antes de ir embora apressado – mesmo em Tooting, Londres ainda parece um formigueiro acelerado.

Passamos do Sul de Londres para o Norte, e já o sol se pôs quando chegamos ao pub Old Dairy, onde um grupo de amigos ligados por uma empresa de programação se juntam para beber umas cervejas antes do início da semana de trabalho, ocupando uma longa mesa na sala de jantar do pub, pontuada por copos de pints.

PÚBLICO -
Foto
Joana Bourgard

“Não sei se seremos grande ajuda”, diz logo Alienor Davies e o colega Tom (ele prefere ser tratado apenas pelo primeiro nome). Os dois parecem bastante diferentes: ela de brinco no nariz e braço tatuado, ele de camisa e corte de cabelo impecável. Mas partilham o desinteresse pela política. “Para ser sincera, não sigo nada”, diz ela. “Desisti de ter uma opinião”, diz ele.

“Perdi a fé na política”, diz Alienor, 35 anos. “Não acho que nos dêem toda a informação. Mesmo se seguisse, mesmo que tivesse uma opinião, eles fariam o que quisessem”, explica. “Já fui a manifestações de coisas que me interessavam, já perdi a fé. Não tenho interesse, não leio, não sigo”, resume.

Alienor é filha de pai britânico e mãe francesa. Mas não é por isso que tem especial entusiasmo pela ideia da União Europeia. “Aqui somos muito cautelosos com a velocidade a que vamos. Nunca entrámos no euro, e hoje estamos aliviados por isso.”

PÚBLICO -
Foto
Alienor Davies Joana Bourgard

Já Tom é um desconfiado por natureza. Por exemplo, em relação à União Europeia: “Tudo mudou tanto desde que nos juntámos…” Mas será que seria melhor não se terem juntado? “É uma questão aberta. Projecta-se nela tudo o que se pensa.” Pessoalmente, não sabe “qual seria a alternativa”. Também desconfia das sondagens que dão tanta popularidade ao UKIP. “Vi algumas coisas mas não sei se acredito. Gostava de ver pesquisas mais fundamentadas”, diz.

“Se soubessem o que defende Farage, ficariam horrorizadas”

PÚBLICO -
Foto
Matthew Harmer Joana Bourgard

Matthew Harmer, 44 anos, terapeuta ocupacional e “verdadeiro londrino” (algo que constata sem emoção especial), chega no final da conversa e diz que também tem interrogações. “Vejo esses números sobre o UKIP nas sondagens e pergunto-me se será verdade”, observa. “Faz-me pensar o que saberão as pessoas sobre política!”

Ao contrário de Alienor e Tom, ele segue atentamente a situação do país. “Na geração do meu pai, ou se era trabalhista ou conservador. Agora, parece que a divisão é entre o centro e os populistas”, diz. Pega no exemplo de Boris Johnson, o popular presidente da câmara de Londres, uma personagem. “Não me parece que seja um caso de pertença a um partido político, mas uma questão de popularidade de um candidato.” Neste aspecto, Farage, com o seu casaco de tweed e cerveja na mão, é comparável ao louro e cómico Boris Johnson.

“Penso que, se as pessoas soubessem o que realmente defende Farage, ficariam horrorizadas. Todo o conceito de exclusão, de olhar só para dentro…”, descreve. “Mas Farage apresenta-se como um político com um sentido claro do que quer e do que representa, e os outros não”, conclui Matthew.

Farage tem conseguido sobreviver a tudo. O antipolítico que critica os políticos e os seus gastos está embrulhado no seu próprio escândalo de despesas – mas isso não afecta a ascensão do UKIP nas sondagens. As acusações de racismo feitas ao político anti-imigração não têm enfraquecido o UKIP. Não há semana em que não apareça uma frase polémica de um candidato do UKIP nas redes sociais, seguida de desmentidos e contexto, ou em que não apareça um exemplo de hipocrisia do partido, como um candidato que empregava imigrantes ilegais. Mas isso não tem alterado nada na popularidade do UKIP.

Comentando no diário britânico The Guardian, um candidato londrino dos Verdes, Charles Harris, dizia: “A vossa campanha contra o UKIP tem tido tanto sucesso, podemos ter uma campanha contra o voto nos Verdes?”

PÚBLICO -
Metro de Londres Joana Bourgard

O UKIP surgiu, e mantém-se, como um partido cuja base é a defesa da saída do Reino Unido da UE – “um voto no UKIP é um voto para deixar a União Europeia e recuperar o poder sobre a vida nacional [dos britânicos]”.

Segundo o Guardian, esta estratégia assenta no facto de que a oposição à União Europeia é dos poucos pontos que junta todo o eleitorado do UKIP (embora no inquérito não tivesse sido colocada qualquer questão sobre imigração).

O antieuropeísmo não é imutável: mais de metade dos britânicos disseram numa sondagem do instituto Ipsos Mori que preferiam permanecer na União Europeia, e apenas 37% votariam a favor de uma saída num referendo que David Cameron prometeu, caso fosse reeleito em 2015. No final de 2012, 48% disseram que votariam por uma saída e 44% pela continuação.

PÚBLICO -
Foto
Joana Bourgard

No entanto, se o resultado previsto do UKIP nestas eleições europeias impressiona – a verificar-se o primeiro lugar, seria a primeira vez que um partido que não o Trabalhista ou o Conservador consegue o primeiro lugar numas eleições nacionais desde antes da I Guerra Mundial –, os jornais titulam o óbvio: o vencedor real é a indiferença. “Com sorte a participação poderá ser pouco mais de 25%”, diz o Telegraph.

Vamos até Hackney, uma das poucas zonas de Londres que não tem uma estação de metro e que ganhou reputação pela sua mistura social explosiva. Hoje já não é assim e agora até é cool viver aqui.

Ann, 28 anos, produtora de programas de televisão, é uma das habitantes do bairro e não podia estar mais contente. Bebe um chá no Black Cat, um "café activista" (é gerido por uma associação sem fins lucrativos que quer promover um estilo de vida vegan e de produtos locais, e tem ainda livros – uma miúda na mesa ao lado lê Anarchy in Comics), e defende activamente a União Europeia: “Penso que pertencer à UE beneficiou muito o Reino Unido.” “O eurocepticismo cresceu com a recessão, mas sozinhos estaríamos muito pior”, diz. Não é claro se esta defesa se vai traduzir num voto. Ann franze um pouco o nariz, fazendo mexer os óculos de massa. “Ainda não pensei nisso…  não tenho seguido a campanha. Talvez vá votar. Costumo votar, por isso sim, talvez vá”, diz, sem grande convicção.

PÚBLICO -
Eurostar de Londres para Bruxelas Joana Bourgard

Esta é a décima de 11 paragens na Europa que vai a votos. Amanhã, Bruxelas.