Conchita Wurst recebida em festa no aeroporto de Viena

No seu regresso à Áustria, após a vitória no Festival Eurovisão da Canção, a cantora “barbuda” foi felicitada pelo presidente Heinz Fischer e saudada por uma multidão de fãs, alguns com barbas pintadas na cara.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Conchita Wurst, o travesti austríaco que venceu o Festival Eurovisão da Canção, cuja final se disputou no sábado em Copenhaga, na Dinamarca, regressou neste domingo ao seu país e foi recebido no aeroporto de Viena por mais de um milhar de fãs, alguns deles com barbas falsas pintadas na cara, que gritavam palavras de apoio, fotografavam a "diva" e lançavam ao ar mãos-cheias de purpurinas.

Alguns traziam bandeiras da Áustria, outros bandeiras com o arco-íris da comunidade homossexual. A cantora posou para as câmaras de televisão, mostrando o troféu que trouxera da capital dinamarquesa.

O Presidente austríaco, o socialista Heinz Fischer, afirmou, numa declaração escrita, que o triunfo de Conchita Wurst “não é apenas uma vitória para a Áustria, é-o antes de mais para a diversidade e a tolerância na Europa”.

A generalidade dos partidos políticos austríacos seguiu o exemplo presidencial e também já saudou o triunfo da intérprete, e mesmo a extrema-direita do FPÖ [Partido da Liberdade Austríaco], que classificara como “ridícula” a representação do país na Eurovisão, teve agora de reconhecer que “é da ordem das coisas que as pessoas se regozijem quando há uma vitória”.

Nascida em 1988 com o nome Thomas Neuwirth, Conchita Wurst venceu a competição com uma balada clássica, no estilo das músicas dos filmes de James Bond dos anos 1960, Rise Like a Phoenix, que uma estação de rádio de Viena, a Radio 88,6, difundiu ininterruptamente durante quatro horas.

Thomas Neuwirth, que se refere a si próprio no feminino quando assume a personagem de Conchita Wurst (wurst é a palavra alemã para salsicha ou, mais genericamente, para enchido; mas em austríaco a expressão significa "não quero saber"), apresentou-se em palco com um visual de diva – vestido comprido, cabelos longos e maquilhagem pesada –, ao qual somou uma barba e bigode falsos.

A Áustria não vencia o Festival Eurovisão da Canção desde 1966, quando Udo Jürgens conquistou o primeiro lugar no Luxemburgo, com a canção Merci Cherie. Apesar do título francês, o tema era cantado em alemão. Tinha mesmo de o ser, já que nesse ano entrou em vigor a regra que obrigava os concorrentes a cantar na língua oficial do seu país. A alteração, que foi imposta pelos protestos de alguns países contra o facto de a Suécia ter apresentado, em 1965, uma canção interpretada em inglês, fará sorrir os que assistiram a esta última edição do festival, no qual constituíram excepção os temas que não foram cantados em inglês.