Narcotráfico implodiu Estado da Guiné Bissau, acusa Passos

Primeiro-ministro afirma em Bruxelas que Portugal está disponível para participar em missões da ONU em África. E afirmou que as relações com Angola estão "normalizadas".

Passos Coelho no momento em que se dirigiu ao país através da TV
Foto
Passos Coelho no momento em que se dirigiu ao país através da TV Foto: Miguel Madeira

O narcotráfico implodiu o Estado na Guiné-Bissau, afirmou esta quarta-feira, em Bruxelas, Pedro Passos Coelho. O primeiro-ministro discursava na sessão de trabalho sobre a paz e a segurança da IV Cimeira UE-África.

“A Guiné-Bissau é um caso revelador pela forma como o narcotráfico concorreu para a implosão das suas frágeis estruturas de Estado, submergindo o país numa grave crise político-militar”, disse Passos Coelho. “Esperamos que as eleições sucessivamente adiadas e agora previstas para 13 de Abril se realizem em condições de justiça e liberdade, permitindo a normalização da situação política e abrindo caminhos para a submissão do poder militar às autoridades civis e à construção de um verdadeiro Estado de Direito”, destacou.

A referência à situação em Bissau surgiu no âmbito da análise ao aumento da insegurança marítima no Golfo da Guiné. “Preocupa-nos pelo seu impacto na região mas, também, pela sua correlação com outros fenómenos, tais como a actuação dos grupos extremistas no Sahel ou as rotas de narcotráfico que usam a África Ocidental como plataforma a caminho da Europa”, referiu o primeiro-ministro.

Assim, e dado o carácter transnacional deste fenómeno, Passos assinalou a vontade do seu executivo de trabalhar com os Estados e organizações da região tanto no quadro bilateral como no contexto da estratégia da União Europeia (UE) para a zona, aprovada em Março passado.

“Essa cooperação poderá passar pelo reforço das capacidades das marinhas e forças aéreas nacionais e pelo fortalecimento das instituições jurídicas e policiais”, destacou o primeiro-ministro. Uma acção marcada pela prevenção, coordenação dos actores internacionais e pela procura de uma matriz africana de soluções.

A existência de um diálogo constante entre a UE e os países africanos foi defendida por Passos Coelho. “Na nossa perspectiva, o crescimento económico e o desenvolvimento sustentável são outros dos sustentáculos fundamentais da nossa parceria”, assinalou.

Por fim, Pedro Passos Coelho reiterou a disponibilidade de Portugal para participar em missões mandatadas pelas Nações Unidas, “como fizemos no Golfo de Áden ou na República Centro-Africana”.    
 
Relações com Angola "normalizadas"

Na conferência de imprensa que se seguiu, o primeiro-ministro afirmou  que as relações com Angola "estão normalizadas" e desvalorizou o facto de a cimeira entre os dois países ainda não estar marcada porque "não é uma prioridade". "Portugal tem uma relação de normalidade com Angola, houve alguma perturbação, que todos têm presente e que foi ultrapassada", disse.

À margem da cimeira, Passos encontrou-se com o vice-Presidente de Angola, Manuel Vicente, com quem falou "dos vários aspetos da relação bilateral" entre os dois países.

Sobre a cimeira, cuja data tem vindo a ser adiada, referiu que ainda não está agendada, mas acrescentou que o encontro "não é uma prioridade" para Portugal. "Seria relevante se não houvesse contactos normais e regulares entre os dois Estados. Não é o caso, portanto essa cimeira terá lugar quando tiver algum significado, isto é resultados práticos que deem significado à própria cimeira", disse.

Lisboa e Luanda tinham acordado a realização da primeira cimeira bilateral, que deveria decorrer em fevereiro último, em Angola, mas em outubro o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, anunciou o fim da intenção de estabelecer uma cooperação estratégica com Portugal. Alguns dias antes, em entrevista à Rádio Nacional de Angola, Rui Machete tinha pedido desculpa a Luanda pelas investigações do Ministério Público português, declarações que provocaram polémica em Lisboa.