Manuel Valls, um "socialista de direita" para governar França

Hollande nomeou um novo primeiro-ministro para um novo "governo de combate", após resultados desastrosos nas eleições municipais.

Valls é o mais popular de todos os membros do Governo socialista
Fotogaleria
Valls é o mais popular de todos os membros do Governo socialista ALAIN JOCARD/AFP
Fotogaleria
O Presidente francês François Hollande na comunicação desta noite ao país REUTERS/Philippe Wojazer

O Presidente francês, François Hollande, nomeou um novo primeiro-ministro, para "abrir uma nova fase" na governação, após a pesada derrota nas eleições municipais. Trata-se de Manuel Valls, até agora ministro do Interior, um político mais popular entre a direita do que entre os próprios socialistas. O que se espera, agora, é “um governo de combate”.

"Confiei a Manuel Valls a missão de conduzir o Governo de França, com uma equipa mais compacta", explicou o Presidente. A missão imediata é conduzir a bom porto o Pacto de Responsabilidade, que é a luz orientadora do caminho de França para os próximos anos.

Este programa prevê um alívio nos impostos cobrados às empresas e aos trabalhadores independentes no valor de 30 mil milhões de euros, para incentivar o emprego e a produção, e economias de 50 mil milhões de euros na despesa pública até 2017 – para satisfazer Bruxelas e reformar o Estado. Em meados de Abril, este pacto tem de ser apresentado à Comissão Europeia e Paris tem de começar a trabalhar nele.

O pacto é ponto assente para Hollande e para o Governo. Mas incomoda as correntes mais à esquerda do PS francês, que logo na noite eleitoral vieram dizer que este pacto foi um dos factores que envenenaram os resultados das eleições municipais – em que os socialistas perderam 151 câmaras, em cidades com mais de 10 mil habitantes, e viram passar para a direita várias metrópoles com mais de 100 mil habitantes, incluindo alguns bastiões do PS.

Para compensar, Hollande falou num novo “pacto de solidariedade”, para que haja mais justiça social, assente em três pilares: a educação, a segurança social e o aumento do poder de compra. Isto traduzir-se-ia em mais investimentos na educação e na saúde e também num plano de redução dos impostos pagos pelas famílias com menos recursos que poderá vir a ser apresentado no fim de Abril.

A subida de Manuel Valls ao poder não é o que desejavam, apesar de ele ser o ministro mais popular do Governo: 31% dos franceses gostaria de o ver como primeiro-ministro, numa sondagem realizada antes da segunda volta das eleições municipais de domingo. Jean-Marc Ayrault, que a meio da tarde anunciou ter apresentado a sua demissão, apenas agradava a 11% dos cidadãos.

A questão é que Valls é até mais popular à direita do que à esquerda.

A imagem e as ideias de Valls, um político de 51 anos são, é bastante diferente de Ayrault, e até mesmo de Hollande. Nascido em Barcelona e naturalizado francês aos 20 anos, partidário de um socialismo à maneira de Tony Blair, Valls está habituado a entrar em conflito com o seu próprio partido. Chamam-lhe o “socialista de direita”.

No Governo de Ayrault, ganhou notoriedade pela forma intransigente como tem lidado com as questões da imigração – relativamente ao desmantelamento de acampamentos ciganos e à deportação de ciganos provenientes de países da União Europeia que imigram ilegalmente.

Isso deu-lhe credibilidade junto da direita, mas tornou-o problemático junto da esquerda.“Escolhe-se o homem mais à direita para responder ao povo de esquerda?”, espantou-se a senadora Marie-Noëlle Lienemann, representante da ala esquerda do PS, em declarações ao Le Monde.

Os dois ministros da Europa Ecologia/Os Verdes, que faz coligação governamental com o PS no Governo, anunciaram já que não participarão num executivo liderado por Valls.

"Este homem é perigoso"
As características que o tornam popular junto da direita fazem com que Marine Le Pen, a líder do partido de extrema-direita e anti-imigração Frente Nacional, o tema. “Este homem é perigoso. Há que temer o seu domínio. É um homem de autoridade nas palavras. Valls é um homem da comunicação”, comentou Le Pen, a outra triunfadora das eleições municipais, além da UMP, o maior partido de centro-direita.

Após expressar os seus receios face ao novo primeiro-ministro socialista, denegriu o seu trabalho no Ministério do Interior – aquilo que o tornou popular entre os eleitores da direita: “O balanço do trabalho de Valls contra a insegurança é deplorável. Não obteve resultado nenhum.” O que Hollande está a fazer, considerou, é a “carbonizar Valls, para lhe esgotar as suas ambições”, disse Le Pen.

Porque se há traço de carácter que é apontado a Manuel Valls é a ambição – e a ambição última de um político francês é o Eliseu. Ele não o esconde, e aliás foi um dos candidatos nas primárias socialistas, ganhas por François Hollande. Mas depois foi seu director de campanha. No entanto, ao promovê-lo a primeiro-ministro, Hollande corre o risco de promover um mais do que potencial rival.