Depois de girafa, zoo dinamarquês abate quatro leões

Jardim zoológico alega que presença de animais era incompatível com chegada de um novo leão.

Foto
Carlos Hugo Vaca/Reuters/arquivo

O Jardim Zoológico de Copenhaga, Dinamarca, que eutanasiou uma girafa saudável em Fevereiro, provocando reacções de repúdio a nível internacional, anunciou nesta terça-feira que abateu quatro leões para receber um novo macho. O zoo argumenta que a presença dos quatro animais era incompatível com a chegada do novo animal.

“Por causa do comportamento e estrutura natural dos leões, o zoo teve de eutanasiar os dois velhos leões e os dois jovens leões, que não tinham idade suficiente para se defenderem”, afirma o jardim zoológico num comunicado publicado no seu site. Segundo o zoo, as crias de dez meses “teriam sido mortas pelo novo macho leão, assim que este tivesse oportunidade”.

Os quatro animais, todos da mesma família, foram abatidos na segunda-feira, depois de o jardim zoológico não ter encontrado um espaço que os recebesse. O mais recente leão do zoo, com três anos e 130 quilos de peso, chegou ao final da tarde de ontem, confirmou o espaço. O animal vai juntar-se a duas jovens fêmeas que nasceram no zoo de Copenhaga há dois anos, com as quais se deverá reproduzir quando estas chegarem à idade de procriar.

Em Fevereiro, o zoo anunciava o abate de uma girafa saudável, de apenas dois anos. O abate ocorreu apesar dos protestos junto do zoo, um deles na forma da petição Save Marius (Salvar Marius), que agora apela a assinaturas contra o director científico do jardim zoológico, “para que outros animais inocentes não tenham o mesmo destino que Marius”.

A girafa foi então abatida no dia 9 de Fevereiro com um tiro, uma vez que uma injecção letal contaminaria a sua carne e impediria que servisse de refeição a outros animais do jardim zoológico. O cadáver do animal foi desmanchado em público, perante as pessoas que visitavam na altura o zoo.

O jardim zoológico disse na altura que apenas se limitava a cumprir as regras impostas pela Associação Europeia de Jardins Zoológicos, de que a reprodução entre animais geneticamente parecidos deve ser evitada.