Christoph Aigner/Flickr
Foto
Christoph Aigner/Flickr

Megafone

Poderá um dia o meu tio Manel deixar de ser careca?

Os cientistas da Universidade da Pensilvânia,nos EUA, afirmam que as células estaminais têm um potencial necessário para tratar a queda de cabelo, embora, para já, a solução ainda não tenha sido testada em humanos

Quando penso em carecas, automaticamente penso no meu tio Manel. Quem não tem o típico tio careca que faz a delícia das brincadeiras da criançada da família? Os carecas farão ainda a das mulheres, até dizem que é dos carecas que elas gostam mais. Bem, mas para as que não gostam ou para os carecas que sonham com a sua cabeleira de antigamente, parece que agora podemos estar mais perto de uma cura para a calvície. Se depender de um grupo de cientistas nos EUA, essa solução pode estar nas células estaminais.

Os cientistas da Universidade da Pensilvânia, nos EUA, afirmam que as células estaminais têm um potencial necessário para tratar a queda de cabelo, embora, para já, a solução ainda não tenha sido testada em humanos. Este potencial decorre então da possibilidade de fazer nascer novos folículos capilares e reverter a calvície.

A equipa liderada por Xiaowei Xu converteu células estaminais pluripotentes induzidas (iPSCs) — células estaminais adultas reprogramadas que possuem muitas caraterísticas das células estaminais embrionárias — em células estaminais do epitélio (conjunto de tecidos que “cobre” a superfície externa do organismo). Os resultados foram divulgados num artigo publicado na “Nature Communications”

Estas células estaminais epiteliais foram, depois, misturadas com outras células e implantadas em modelos animais, produzindo camadas de células cutâneas e de folículos capilares semelhantes às células do cabelo humano.

O que acontece é que o folículo capilar contém células epiteliais, mas também um segundo tipo de célula estaminal adulta (chamadas papilas dérmicas). E como explicou Xu, “quando uma pessoa perde o cabelo, perde esses dois tipos de células”.

O grupo de cientistas conseguiu assim resolver uma das partes do problema: “Conseguimos resolver um grande problema relacionado com o componente epitelial dos folículos capilares. Agora precisamos de descobrir uma forma de criar também novas papilas dérmicas e, até ao momento, ainda ninguém conseguiu fazê-lo", esclarece Xu.

Apesar de a utilização de células estaminais para regenerar os folículos seja já falada há algum tempo só agora foi possível criar um número suficiente de células estaminais que gerasse folículos capilares. Estes resultados levam os cientistas a acreditar que as células estaminais poderão, no futuro, ajudar a regenerar o cabelo em humanos.  Mas não nos podemos esquecer que, por vezes, os estudos levados a cabo em animais nem sempre apresentam os mesmos resultados em humanos. Pelo menos por agora, o meu tio Manel vai continuar a ser careca, e elas podem ficar descansadas porque se gostam mais de carecas ainda vão continuar a andar muitos por aí.