Cerca de 5% dos sem-abrigo de Lisboa têm um curso superior

Levantamento dos perfis dos sem-abrigo da capital revelou dados surpreendentes. Santa Casa propõe atendimento centralizado e dois novos centros para retirar pessoas das ruas.

O facto de os sem-abrigo mudaram de sítio dificulda o acompanhamento dos casos
Foto
O facto de os sem-abrigo mudaram de sítio dificulda o acompanhamento dos casos Enric Vives-Rubio

São homens, em idade activa, com filhos, solteiros e portugueses. É este o perfil maioritário dos sem-abrigo de Lisboa, de acordo com o levantamento feito pela Santa Casa da Misericórdia e revelado esta quarta-feira. Mas há também novos dados que surpreenderam os próprios responsáveis. A SCML pretende oferecer novas respostas ao problema.

Numa contagem feita na noite de 12 de Dezembro e que envolveu mais de 800 voluntários, contabilizaram-se 852 sem-abrigo em Lisboa, dos quais 509 vivem nas ruas e 343 passam as noites em centros de acolhimento. Os inquéritos foram realizados ao longo de vários meses em que as equipas do programa “InterSituações” da SCML contactaram 649 sem-abrigo e conseguiram obter 454 respostas.

A grande maioria é homem (87%) e tem entre 35 e 54 anos (48%). Em segundo lugar, o escalão etário mais representativo é o dos 55-64 anos (20%). A pessoa inquirida mais nova tem 16 anos e a mais velha tem 85 anos. Na sua maioria são solteiros (44,5%) e têm nacionalidade portuguesa (58,4%). Há 65 pessoas nacionais de outros países da União Europeia. Quase um terço (30,6%) está na rua há menos de um ano e, no outro extremo, há 23 pessoas que vivem na rua há mais de 20 anos e foi ainda encontrada uma pessoa nesta situação há já 40 anos.

Mais de metade (54,2%) diz ter filhos, com os quais 36,2% não mantêm qualquer contacto. Apenas 13,8% dizem ter um contacto quase diário com os filhos, mas, no total, a maioria (66,8%) diz interagir frequentemente com outros membros da família. A SCML sublinha que este pode ser “o meio para combater a situação de ruptura em que [os sem-abrigo] se encontram”. Este dado foi “uma grande surpresa mas também uma grande esperança”, afirmou a administradora para a Acção Social da SCML, Rita Valadas, durante a apresentação dos resultados.

Será a partir daqui que um dos eixos da estratégia da SCML se vai desenvolver nos próximos tempos e que vai passar pelo “apoio às famílias” e promover o contacto com as pessoas nas ruas, explicou Rita Valadas.

Novas soluções

Tirando aqueles traços principais, a população de sem-abrigo da capital é bastante heterogénea. Um terço concluiu o ensino secundário, técnico ou superior, enquanto 20 (4,6%) dos sem-abrigo possuem um diploma universitário e 7,7% não sabem ler nem escrever.

O inquérito mostrou ainda que somente 15,4% “revelaram sinais de desorganização mental” e quase metade (48,5%) diz nunca ter tido problemas de alcoolismo. Apenas uma minoria (8,8%) afirma ter tido problemas de abusos de drogas, enquanto 63,9% dizem nunca ter consumido “aditivos de substâncias psicoactivas”.

A responsável da SCML refere que o levantamento realizado mostra, numa primeira aproximação, quatro “mudanças ao nível dos perfis” dos sem-abrigo. “A abertura do leque etário”, a identificação de “pessoas que se mantêm próximas da família”, a “menor presença das dependências” e os “novos níveis de habilitações” detectados e que não eram comuns entre esta população.

Para fazer face às situações agora conhecidas e documentadas, a SCML propõe um conjunto de “respostas sociais”. Entre elas está a abertura de “um espaço único de referência” para os sem-abrigo, numa colaboração com a Câmara Municipal de Lisboa. A Unidade de Atendimento a Pessoas Sem-abrigo vai estar localizada no Cais do Gás, na zona do Cais do Sodré, e deverá abrir dentro de um mês, segundo Rita Valadas. Trata-se de “uma porta única onde todas as instituições vão ter assento e onde todas as pessoas em situações de vulnerabilidade se podem dirigir”, explicou a administradora.

A acção da Santa Casa vai passar ainda por três linhas. A criação de um núcleo de ligação à população de sem-abrigo, que vai passar pela manutenção da equipa que participou no “InterSituações” será uma das prioridades.

Está prevista igualmente a construção de um Centro de Recuperação de Competências Psicossociais com o objectivo de “promover a reinserção na vida activa e o reatar de ligações com a família”. Finalmente, a SCML, em parceria com a CML, quer abrir um Centro de Alojamento de Transição que pretende responder às queixas dos sem-abrigo sobre os locais já existentes: “o excesso de regras e de burocracia”. Este espaço, onde as pessoas vão poder permanecer por nove meses, deverá ter “o conforto da casa com as regras da rua”, nas palavras de Rita Valadas. Não estão ainda previstas datas para a abertura destes dois equipamentos.