Torne-se perito

Ranking dos hospitais: Entre Douro e Vouga é o quarto classificado na diabetes

A diabetes é considerada como a epidemia silenciosa do século XXI. Em Portugal é a doença com a maior taxa de prevalência
Foto
Em Portugal mais de um milhão de pessoas entre os 20 e 79 anos têm diabetes e há dois milhões em risco de desenvolver esta doença Manuel Roberto

Nas “doenças endócrinas e metabólicas” o líder é o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, seguido do centro de Entre Douro e Vouga (Aveiro). Especificamente na diabetes a unidade mais bem classificada no estudo da Escola Nacional de Saúde Pública é, de novo, o CHUC.

Depois, surgem os centros hospitalares do Porto  e de São João. Em quarto  lugar destaca-se o Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga e, por último, o Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental. Luís Gardete Correia, o endocrinologista que preside à  Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal, considera também que este ranking não “reflecte o que se passa” e por isso mesmo  “tem um valor muito limitado”. Porquê? Porque a diabetes  é tratada maioritariamente em ambulatório (sem internamento) e, quando há complicações, os doentes vão habitualmente para os serviços de cardiologia e de oftalmologia, enfatiza.

Além disso, quando os pacientes morrem no hospital, não morrem no serviço de endocrinologia, mas sim nos serviços de cardiologia, nefrologia, medicina interna. O que seria interessante perceber, advoga, era saber quanto tempo é que um diabético demora a ter uma consulta hospitalar, quais são os serviços que têm enfermeiros e dietistas, entre outras coisas.

Por tudo isto, Gardete Correia aconselha os doentes a consultar os relatórios do Observatório Nacional da Diabetes (que ele próprio dirige), apesar de estes incluírem dados não por hospital mas apenas por regiões.
 

Sugerir correcção