Autarcas do Porto e Viseu apresentaram queixas comuns

Rui Moreira e Almeida Henriques pediram prioridade para a linha Aveiro-Vilar Formoso, em nome das exportações do Norte e Centro.

A primeira reunião em 40 anos de poder local democrático entre presidentes de Câmara do Porto e de Viseu serviu para o independente Rui Moreira e o social-democrata Almeida Henriques protestarem nesta quinta-feira contra o facto de a modernização da linha ferroviária Aveiro-Vilar Formoso não constar da lista dos 30 investimentos prioritários definida pela comissão que o Governo criou para o efeito.

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, lembrou que "o que tem sido dito, em especial nos últimos quatro anos, é que a saída de Portugal da actual crise a longo prazo depende da competitividade das exportações", e que as regiões Norte e Centro são responsáveis por 65% das exportações do país.

Rui Moreira também se disse "insatisfeito e perplexo" pelo facto de a regeneração urbana ter "desaparecido" das grandes opções do Governo para o próximo quadro comunitário, depois de, há um ano, ter sido apresentada como factor chave para a competitividade das cidades, para o relançamento da economia e sobretudo para a dinamização de um sector "fustigado pela crise": a construção civil. "Evaporou-se", sem ninguém explicar porquê, "considero que houve uma enorme opacidade", concluiu o autarca que mantém um braço de ferro com o Governo sobre o futuro da Sociedade de Reabilitação Urbana Porto, que já liderou.

Almeida Henriques, que deixou a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional para se candidatar à Câmara de Viseu, afirmou que mudou de funções, mas não de convicções. Tal como Moreira, defendeu que a gestão do Compete devia ficar sedeada no Norte ou no Centro e recordou que se bateu contra o fim dos programas regionais, que até viram as respectivas dotações aumentarem, e pela instalação no Porto do chamado Banco de Fomento.

Ainda em sintonia com o colega do Porto, defendeu uma gestão cada vez mais descentralizada dos fundos comunitários, que considere as estratégias regionais. Quanto à polémica em que Rui Moreira se envolveu com o Governo, acerca de uma alegada centralização na preparação do próximo Quadro Comunitário de Apoio, Almeida Henriques defendeu que é tempo de passar adiante e olhar para o futuro.

Este encontro entre autarcas do Porto e de Viseu foi justificado por Rui Moreira com a sua convicção nas vantagens de estabelecer uma espécie de “Liga de Cidades” e ainda com a posição estratégica de Viseu, enquanto “cidade mais importante da Beira Alta”. Está ligada ao Porto pelo “corredor do Vale do Douro”,  que potencia a colaboração entre os dois municípios, sobretudo em sectores como o turismo, convergiram os dois autarcas.

    

Sugerir correcção