Universidade do Minho investiga polémica que envolve professor e alunos em praxe

Docente de psicologia diz ter sido agredido e insultado. Estudantes contam história diferente.

Foto
Rui Gomes diz ter estado sujeito a “momentos de ridicularização”, sentindo-se “envergonhado” por estar na universidade Hugo Delgado/Arquivo

A praxe estaria a decorrer dentro de um dos complexos de aulas da universidade, onde o docente se cruzou com um grupo de alunos alinhados a quem colegas mais velhos e com traje académico vestido faziam perguntas de conteúdo sexual. “Ao passar, disse ao aluno que o que estava a fazer não tinha graça nem era permitido na UM”, conta Rui Gomes, professor associado de Psicologia, numa carta que ontem tornou pública junto da comunidade académica.

A partir daí, o docente diz ter passado a ser ele o objecto da praxe, sendo-lhe feitas as mesmas perguntas antes dirigidas aos alunos. “Fiquei estupefacto com a situação e dirigi-me aos alunos perguntando se tinham confiança comigo para me falar daquele modo”, prossegue. O professor descreve que, ao aproximar-se, foi agarrado por um dos alunos, tendo depois abandonado o local para ir chamar um dos seguranças da universidade.

Rui Gomes diz ter estado sujeito a “momentos de ridicularização”, sentindo-se “envergonhado” por estar na universidade. Contactado pelo PÚBLICO, o professor de Psicologia da UM limitou-se a sublinhar que a carta enviada à comunidade académica é pública, mas que não queria voltar a pronunciar-se enquanto decorre o processo de averiguação interno aberto entretanto pela reitoria.

Os alunos têm, porém, uma versão diferente, conta Maria Canelas, Papisa da UM – a figura máxima da hierarquia da praxe naquela universidade, cuja terminologia é inspirada na da Igreja Católica. “Os estudantes dizem que o senhor em questão fez uma abordagem agressiva ao grupo e que inclusivamente tentou agredir um dos alunos e foi por isso que o tiveram que agarrar”, afirma.

O Cabido de Cardeais – órgão que regular a praxa na UM – está também “a averiguar” o caso, de acordo com Maria Canelas, que avança, porém, que existem outros alunos que foram testemunhas da situação que confirma a versão contada pela comissão de praxe.

A reitoria já abriu um inquérito interno para perceber o que se terá passado e, em comunicado, diz estar “muito atenta à situação”, fazendo o “devido acompanhamento” às eventuais queixas que vão surgindo relativas à praxe. “Temos uma posição inequívoca sobre a praxe”, sustenta a equipa liderada por António Cunha, lembrando a circular interna de 2011 em que foram proibidas as praxes dentro do recinto universitário sempre que estes “configurem ofensas à integridade e dignidade humanas”, impeçam os alunos de ir às aulas ou perturbem o normal funcionamento das atividades académicas.