Câmara de Pombal constrói Centro de Interpretação e museu da serra de Sicó

Projecto deverá custar cerca de 1,2 milhões de euros e as obras poderão estar prontas a partir de meados do próximo ano.

A Câmara de Pombal, no distrito de Leiria, aprovou no início desta semana a abertura de um concurso público para a adjudicação da empreitada de construção do Centro de Interpretação e Museu da Serra de Sicó (CIMU Sicó).

O projecto, que deverá envolver um investimento da ordem dos 2,6 milhões de euros, tem como principal objectivo “facilitar a divulgação e a sensibilização ambiental", bem como "divulgar conhecimento associado ao património natural, cultural e científico”. O prazo previsto para a execção da obra é de 365 dias após a assinatura do contrato, pelo que a empreitada poderá estar concluída a partir de meados do próximo ano.

De acordo com a memória descritiva do projecto, o CIMU Sicó pretende, também, “promover e apoiar o turismo de natureza e a divulgação do desporto de montanha", ao mesmo tempo que facilitará as visitas e/ou estadias de grupos e fomentará a realização de "acções de conservação da natureza, da biodiversidade e da paisagem”.

Com uma área bruta de construção a rondar os 2.800 metros quadrados, o edifício será implantado num terreno com cerca de oito mil metros quadrados, no lugar de Poios, em plena Serra de Sicó, frequentado habitualmente pelos amantes da natureza e da escalada.

“Pretendeu-se projectar um edifício assente nos princípios da construção sustentável, que apoie actividades de educação para o desenvolvimento sustentável”, lê-se no documento.  “Foram acautelados vários aspectos que conduzirão a um aumento da sua sustentabilidade ambiental e económica”, acrescenta.

O imóvel terá “um carácter de inovação e demonstração” em áreas como a "eficiência energética e passividade térmica", o armazenamento e reutilização de água, a integração paisagística  e a "recuperação ambiental da área envolvente".

Na fase de elaboração do projecto foi criado um Comité de Acompanhamento, que contou com a participação de diversos parceiros como a Associação Portuguesa de Turismo Sustentável e Ecoturismo, o Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade, a Federação Portuguesa de Montanhismo e Escalada, a Federação Portuguesa de Espeologia, o Turismo Leiria-Fátima, a associação de desenvolvimento Terras  de Sicó, a Junta de Freguesia da Redinha e os arqueólogos Helena Moura e Thierry Aubry.

Com a edificação do CIMU Sicó, a Câmara de Pombal, presidida pelo social-democrata Diogo Mateus, pretende dinamizar actividades de divulgação e sensibilização ambiental, promover a divulgação do conhecimento cultural e científico associado à Serra de Sicó Ecoteca, fomentar o turismo de natureza e promover os desportos de montanha (escalada, espeleologia, rappel, entre outros) e faciliar visitas e/ou estadias de grupo como escolas e escuteiros.

Outros dos objectivos específicos prendem-se com o apoio à divulgação e realização de desportos de natureza na  (acções de formação em desportos de natureza e de montanha, espaço para armazenamento de equipamentos), e  com o fomento de acções de conservação da natureza e da biodiversidade (monitorização de espécies sensíveis e monitorização e controlo de vegetação exótica invasora).