Foto

Speak Leiria: ensinar línguas em troca de conhecimento

Associação de Leiria promove troca de línguas entre nativos e aprendizes, numa versão “low-cost” e aberta à comunidade do distrito. O Speak Leiria tem mais de 250 alunos

Esta escola de línguas é “low-cost”: o preço por semestre é muito abaixo do normalmente praticado, as línguas a ensinar variam consoante o que cada um quer aprender e é ainda possível financiar um projecto de economia social para integrar imigrantes. A ideia é simples: cada um diz qual a língua que pode ensinar e qual a que gostaria de aprender.

O Speak Leiria nasceu de um projecto já existente na Associação Fazer Avançar (AFA), o Leiria Language Exchange, numa troca gratuita de línguas. Desde Abril de 2012, explica o coordenador do Speak e co-fundador da AFA, Ricardo Figueiredo, o projecto evoluiu para um “negócio social”, após ter vencido a 3.ª edição do Bootcamp IES, da INSEAD. Está, hoje, dividido em duas vertentes, procurando integrar imigrantes no distrito de Leiria.

No Speak Social, o foco é “resolver problemas sociais, incluindo participantes de diferentes origens e fazendo com que eles mostrem a sua cultura”, diz Ricardo, de 29 anos. Por 50 cêntimos por aula, as pessoas podem ter o contacto com uma língua que queiram aprender, ensinando a sua própria língua, em regime de voluntariado.

Para que este trabalho seja sustentável existe o Speak Pro, uma “escola de línguas ‘low-cost’” onde o objectivo não é apenas ter um certificado, mas sim ensinar, sublinha o jovem. “Abdicamos de uma estrutura pesada e apostamos em profissionais com experiência para cursos de línguas mais acessíveis ao público em geral”, justifica.

O preço por semestre começa nos 60 euros e estão disponíveis onze línguas — ainda que este número possa variar de acordo com os interessados em aprender e ensinar, numa lógica de oferta-procura. Cerca de 250 pessoas, por semestre, inscrevem-se para aprender português, espanhol, francês, italiano, inglês, alemão, árabe, mandarim, russo, polaco e língua gestual portuguesa. “A mais procurada é o alemão”, revela Ricardo, apontando questões de emigração como a principal razão.

Em 2014, o Speak Leiria quer deixar de ser um projecto apenas deste distrito, estando previsto o alargamento a outras zonas do país. Já em Janeiro, a novidade é uma actividade do Speak Social que “contempla um género de ‘speed dating’”. “As pessoas inscrevem-se para uma sessão de duas horas, onde vão conhecendo outras pessoas, diferentes, e têm de falar na língua materna e noutra estrangeira, trocando conhecimentos”, descreve.

Artigo actualizado às 13h05 do dia 2 de Janeiro de 2014.