Novo livro da saga Millennium, sem Stieg Larsson, editado em Portugal em 2015

Oceanos editará o quarto livro da saga best-seller, que será escrito pelo sueco David Lagercrantz, autor da biografia do futebolista sueco Zlatan Ibrahimovic

Foto

Um novo livro da saga Millennium de Stieg Larsson, já assinado por um novo escritor, será editado em Portugal em 2015, confirmou esta quarta-feira ao PÚBLICO a LeYa, que através da sua chancela Oceanos publicou já Os Homens que Odeiam as Mulheres, A Rapariga que Sonhava com uma Lata de Gasolina e um Fósforo e A Rainha no Palácio das Correntes de Ar. Na terça-feira, a editora sueca Norstedts anunciou que a trilogia terá uma sequela, desta feita assinada pelo sueco David Lagercrantz – autor da biografia I am Zlatan, do futebolista sueco Zlatan Ibrahimovic, que se tornou no livro mais rapidamente vendido da Suécia em 2011.

O livro de Lagercrantz está previsto para Agosto de 2015 na Suécia, exactamente dez anos depois do lançamento do primeiro volume da trilogia Millennium, que vendeu mais 75 milhões de livros em todo o mundo e é um dos fenómenos literários da primeira década do século XXI. Em Portugal, segundo dados da LeYa, os três livros venderam já mais de 157 mil exemplares (119 mil na sua edição original e quase 38 mil na versão BIS, a colecção de livros de bolso).

Pouco se sabe ainda sobre o caminho que a história da hacker Lisbeth Salander e do jornalista de investigação Mikael Blomkvist tomará nas mãos de Lagercrantz, também ele um ex-jornalista que começou a sua carreira a cobrir casos de crimes e serial-killers, como diz o britânico Telegraph. A BBC escreve que o novo livro contará com as personagens centrais da história de Larsson e que algumas das linhas narrativas da intriga dos três primeiros livros serão recuperadas.

Mas a directora da editora sueca, Eva Gedin, garantiu à Associated Press (AP) que este quarto livro é independente dos anteriores tomos e que será uma obra original que nada contém do esboço não terminado deixado por Larsson antes da sua morte. Para ela, citada pelo diário sueco Aftonbladet, as personagens criadas por Larsson são tão fortes que hoje se sustentam por si e agora terão uma segunda vida às mãos de Lagercrantz. Eva Gabrielsson, companheira de Larsson até à sua morte, manifestou ao jornal sueco a sua preocupação com o facto de Lagercrantz poder não lidar correctamente com os temas sociais e políticos subjacentes à intriga policial da obra de Larsson. E foi taxativa: “Stieg nunca o teria permitido. Ele era muito cuidadoso com a sua obra”, disse, acrescentando que “é de mau gosto tentar fazer mais dinheiro” a partir destes livros.  

A história da feitura da trilogia Millennium, ela própria digna de um romance com uma intriga finalizada com um revés dramático, é bem conhecida: Stieg Larsson, jornalista e escritor, terminou os primeiros três de uma série que planeava que tivesse dez livros e morreu de ataque cardíaco em Novembro de 2004, aos 50 anos, antes de ver a saga de Lisbeth Salander e do seu suposto alter-ego Mikael Blomkvist explodir em popularidade em 50 países e dar origem a quatro filmes - três suecos e um made in Hollywood.

Os policiais, e típicos page turners, viram-se envoltos na luta judicial entre o pai e o irmão de Larsson e a sua companheira Eva Gabrielsson em torno dos direitos sobre o legado literário do escritor - Gabrielsson terá o computador portátil em que o escritor tinha esboçado cerca de três quartos de um quarto volume de Millennium. Stieg Larsson morreu sem deixar em testamento os seus desejos quanto ao seu espólio e obra e, como não eram casados, a batalha judicial adensou-se e Eva Gabrielsson, também ela escritora, recusou revelar mais detalhes sobre a obra inacabada até que lhe sejam atribuídos os direitos sobre o legado literário de Larsson. 

O amigo e colega de Larsson, Kurdo Baksi, contou há três anos ao diário sueco Expressen alguns desses detalhes que Gabrielsson quererá manter em segredo, nomeadamente que os planos de Larsson nesse quarto volume davam mais protagonismo à irmã gémea de Lisbeth,Camilla, e que levaria Blomkvist a vários países, como Irlanda, Suécia e EUA. No livro de Gabrielsson, Millennium, Stieg et moi (2011), ela própria avança que o título de trabalho para o livro inacabado seria A Vingança de Deus.

À BBC, Eva Gedin explicou agora: “Decidimos deixar alguém tomar conta [da saga] e contar o que aconteceu a seguir”. "Obviamente estamos muito entusiasmados. Acreditamos ter encontrado um autor soberbo para este projecto”, disse a directora, desta feita à AP. Lagercrantz, que aos 51 anos é autor de vários romances e de livros de não-ficção como I Am Zlatan, é também citado pela BBC dizendo que “já começou a escrevê-lo” e que “é terrivelmente divertido. É um mundo fantástico onde entrar”.

Lagercrantz vive no bairro sueco de Södermalm que Larsson retratou nos seus policiais e que é agora uma espécie de local de romaria para turistas literários que visitam os cenários dos livros e dos filmes. A Nordstedts descreve-o em comunicado como alguém que “procurou constantemente na sua escrita personagens bizarras e génios complexos”.