República de Coimbra fecha portas depois de renda ter aumentado 6000%

República 5 de Outubro fecha no fim do mês e outras sete podem ir pelo mesmo caminho. Estudantes culpam nova lei do arrendamento.

As repúblicas de Coimbra integram a zona classificada como Património Mundial pela Unesco
Foto
As repúblicas de Coimbra integram a zona classificada como Património Mundial pela UNESCO Carla Carvalho Tomás

O Conselho de Repúblicas acusa a lei do arrendamento de ter forçado o fecho de portas da República 5 de Outubro, em Coimbra, estando mais sete outras repúblicas da cidade em risco de fechar devido à actualização das rendas.

A República 5 de Outubro, com mais de 40 anos de existência, encerra no final deste mês, depois de a renda ter sido aumentada de 12,5 euros para 764 euros, a 1 de Agosto – um aumento de 6.012% –, tendo-se tornado “impossível” aos quatro estudantes da república pagarem a renda, saindo ao final de três meses de incumprimento.

“Não houve sequer um tempo de reacção”, afirmou à agência Lusa Micaela Silva, que esteve três anos na República 5 de Outubro, relembrando que a senhoria estipulou como renda o valor máximo permitido durante os cinco anos de adaptação da nova lei de arrendamento – um quinze avos do valor do imóvel.

Micaela considerou que muitas outras repúblicas poderão seguir o mesmo caminho “nos próximos tempos” e que o futuro das mesmas “está em risco”.

As repúblicas de Coimbra estão “a sofrer a asfixia de uma lei cega e injusta”, não conseguindo fazer face a “aumentos de até 6.300%” nas rendas, afirmou o Conselho de Repúblicas num comunicado.

Rafael Marques, da República Rás-te-Parta, e que esteve presente no Conselho de Repúblicas que se realizou a 14 de Outubro, disse à agência Lusa que há pelo menos mais sete repúblicas, das 26 existentes, em risco de fechar portas devido à actualização do valor das rendas, entre elas a República do Palácio da Loucura e o Solar Residência dos Açorianos.

O futuro das repúblicas de Coimbra, que são parte integrante da zona classificada como Património Mundial pela UNESCO, “está minado”, considerou Rafael Marques, explicando que apenas as repúblicas que são proprietárias do imóvel ou em que o proprietário é a universidade ou a Câmara de Coimbra poderão ter o seu futuro salvaguardado.

O estudante referiu ainda que, apesar de as rendas anteriores serem muito diminutas, as casas eram “mantidas pelos repúblicos”, estando eles responsáveis pelas obras estruturais, não havendo qualquer investimento por parte do senhorio.

A actualização das rendas, segundo a visão de Rafael Marques, promoveu também “a especulação imobiliária”, com imóveis a terem o seu valor aumentado, apesar de a casa estar “em risco de ruir”.

O estudante manteve também reservas face ao futuro e ao fim dos cinco anos de adaptação da lei que entrou em vigor em 2012: “Aí, [em 2017] o senhorio poderá pedir o que quiser”.

Diogo Barbosa, da República dos Inkas, referiu à agência Lusa que, com o aumentar das rendas, “o carácter de acção social que as repúblicas tinham vai deixar de existir”, acreditando que se está “a preparar o fim das repúblicas”.