Partido de Marine Le Pen seria o mais votado pelos franceses nas eleições europeias

A oito meses das eleições para o Parlamento Europeu, 24% dos franceses daria o seu voto à Frente Nacional

Marine Le Pen beneficia da abstenção dos eleitores dos partidos tradicionais
Foto
Marine Le Pen beneficia da abstenção dos eleitores dos partidos tradicionais FRANCOIS NASCIMBENI/AFP

A Frente Nacional, o partido liderado por Marine Le Pen, vai à frente nas intenções de voto dos franceses para as eleições europeias de Maio de 2014, revela uma nova sondagem: tem 24% das intenções de voto, à frente dos 22% da UMP (centro-direita) e do Partido Socialista (19%).

“Uma sondagem não é uma previsão”, sublinha a revista Nouvel Observateur, que publica o novo estudo de opinião do instituto IFOP. Mas mostra que o partido anti-imigração e anti-União Europeia de Marine Le Pen tem continuado a crescer, enquanto a aprovação do partido do governo e o do maior partido da oposição se mantêm baixas.

A Frente Nacional (FN) está em plena ofensiva eleitoral para as eleições municipais de Março de 2014 – o que se reflectirá, certamente, nesta sondagem, que surge poucos dias depois de a FN ter conseguido passar à segunda volta das eleições cantonais de Brignoles, na região de Var, uma das zonas onde se tem implantado com mais força. O seu candidato, Laurent Lopes, teve 40,4% dos votos, contra Cathernie Delzers, da UMP, que teve 20,8%. Ambos passaram à segunda volta, PS foi eliminado, e a abstenção chegou a 67%.

Ou seja, a FN, como já aconteceu noutras eleições parciais, não aumentou propriamente em número de votos, mas teve bons resultados eleitorais e foi beneficiária de uma enorme abstenção.

Esta sondagem mostra que uma área de crescimento da FN tem sido as pessoas que apoiaram François Hollande para a conquista da presidência da República. No inquérito de Maio passado, diz a Nouvel Observateur, eram apenas 3% a fazer a troca, mas agora são 11%.

Os socialistas estão desgastados pela má imagem do Presidente François Hollande e do primeiro-ministro Jean-Marc Ayrault. Ambos os governantes atingiram o ponto mínimo do seu mandato, segundo o barómetro mensal feito pela empresa LH2 também para a Nouvel Observateur: apenas 29% de opiniões favoráveis sobre a sua actuação.

Na verdade, Hollande conseguiu já bater um recorde negativo do Presidente que o precedeu, que teve pontos muito baixos: “Nicolas Sarkozy nunca esteve abaixo da barreira simbólica dos 30%” durante o seu mandato", diz um comunicado do instituto de sondagens LH2, citado pelo Le Monde.

Quanto à UMP, que após a saída de Nicolas Sarkozy  se viu presa numa luta pelo poder entre François Fillon e Jean-François Copé, vive também uma discussão interna sobre se deve continuar a tradicional posição de se afastar da Frente Nacional, ou se deve aproximar-se e até fazer alianças eleitorais com o partido dos Le Pen. Ganha um ponto em relação à sondagem de Maio.