Morreu o escritor norte-americano Tom Clancy

Foto
Tom Clancy fotografado em 1998 Reuters

O autor de romances de espionagem Tom Clancy morreu na terça-feira, aos 66 anos, num hospital de Baltimore. A confirmação foi dada ao The New York Times pelo seu editor. Ainda não se sabe a causa da morte.

É o criador do consultor e antigo agente da CIA Jack Ryan que chega à presidência dos Estados Unidos. Foi o criador do género techno-thriller. Os seus romances, que são muito documentados tecnologicamente, abordaram temas como o terrorismo nuclear, a guerra bacteriológica, a espionagem industrial ou entre Estados. Vários dos seus livros chegaram ao primeiro lugar do top dos livros mais vendidos nos EUA e foram adaptados ao cinema, entre eles A Caça ao Outubro Vermelho (Publicações Europa-América), Jogos de PoderPerigo Imediato e A Soma de Todos os Medos.

Os seus romances também serviram de base para videojogos (A Caça ao Outubro Vermelho, Red Storm Rising, Rainbow Six, Splinter Cell). Em 1990, Clancy fundou a Red Storm Entertainment, que desenvolveu videojogos a partir das suas ideias e mais tarde foi comprada pela Ubisoft.

Em 2007, lembra a BBC no seu obituário online, Tom Clancy disse numa entrevista que deu a uma cadeia de televisão norte-americana que o seu sucesso como romancista lhe vinha da sua persistência e da investigação aprofundada que fazia para escrever os seus livros. Tinha, aliás, uma teoria : “Aprendemos a escrever como aprendemos a jogar golfe. Jogamos e continuamos a jogar até acertar [no buraco]. Muitas pessoas acreditam que alguma de coisa de místico nos acontece, que a musa nos beija o ouvido. Mas escrever não é uma inspiração divina – é fruto de muito trabalho.”

Foi a obra A Caça ao Outubro Vermelho, o seu primeiro romance que foi primeiro publicado pela Naval Institute Press antes de ser adquirido pela editora Putnam, em 1984, que o tornou conhecido. O Presidente Ronald Reagan ajudou na altura ao sucesso do livro, que vendeu mais de cinco milhões de exemplares, dizendo que era uma "narração perfeita". O romance foi adaptado ao cinema anos depois, em 1990, com Alec Baldwin a interpretar Jack Ryan, e Sean Connery na pele do capitão do submarino soviético, Marko Ramius. 

Mais tarde, a personagem de Jack Ryan foi interpretada no cinema por Harrison Ford, em Jogos de Poder e em Perigo Imediato. Em 2002, coube a Ben Affleck interpretar o agente da CIA em A Soma de Todos os Medos. Todos os filmes foram blockbusters. E em Dezembro, nos Estados Unidos estreará nos cinemas, realizado por Kenneth Branagh, Jack Ryan: Shadow One em que o actor Chris Pine interpretará o Jack Ryan em jovem, nos seus tempos de agente na CIA.

Tom Clancy nasceu em Baltimore. Licenciou-se em língua inglesa no Loyola College e foi agente de seguros antes de se tornar um escritor de best-sellers. Como não conseguiu entrar no exército por causa de problemas de visão, começou a escrever. É autor de 28 livros – incluindo o seu novo romance, Command Authority,  cuja publicação estava prevista para Dezembro nos Estados Unidos.

Em Dezembro de 2010, Tom Clancy publicou Dead or Alive, a meias com Glenn Blackwood, e o romance incluía muitas das suas personagens, entre as quais o famoso Jack Ryan. E como lembra a revista Publishers Weekly no obituário que escreveu do autor norte-americano, nos últimos anos Tom Clancy foi co-autor com Mark Greaney de uma nova série de livros com Jack Ryan, em Dezembro do ano passado chegou às livrarias norte-americanas Threat Vector, o último romance que publicou. Mas Clancy também é autor de obras de não-ficção como  Into the Storm: A Study in Command (em co-autoria com o general Fred Franks e Tony Koltz), Every Man a Tiger (escrito com o general Charles Horner e Tony Koltz), Shadow Warriors: Inside the Special Forces (escrito com o general Carl Stiner e Tony Koltz) e Battle Ready (escrito com o general Tony Zinni e Tony Koltz).

David Shanks, do grupo editorial Penguin nos Estados Unidos, que esteve pessoalmente envolvido na publicação de todos os livros de Tom Clancy, ainda abalado pela morte do escritor, disse à Publishers Weekly que ele criou o thriller dos nossos dias e que era "um dos mais visionários contadores de histórias do nosso tempo”: “Vai fazer-me muita falta e vai deixar saudades nos mais de dez milhões de leitores que tem espalhados por todo o mundo.”

O jornal  Baltimore Sun diz que o escritor morreu no Hospital John Hopkins de Baltimore depois de uma "doença breve". Era republicano e co-proprietário de uma equipa de basebol, os Baltimore Orioles.