"Com Merkel Alemanha promoverá prosperidade da Europa", diz Van Rompuy

Foto
Fabrizio Bensch/Reuters

As reacções à vitória de Angela Merkel.

Herman Van Rompuy, presidente do Conselho da União Europeia: “Felicito Angela Merkel pelo resultado das eleições”. “Tenho a confiança de que a Alemanha prosseguirá com o seu engajamento e a sua contribuição para a construção de uma Europa pacífica e próspera para todos os seus cidadãos”. “Tenho pressa em prosseguir com a minha colaboração com Angela Merkel”, que poderá cumprir o seu terceiro mandato com maioria absoluta no Parlamento, concluiu Van Rompuy.

Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia: Segundo a porta-voz, Leonor Ribeiro da Silva, Durão Barroso “transmitiu as suas calorosas felicitações à chanceler Merkel” pela vitória clara nas eleições legislativas.

François Hollande, Presidente de França: Chefe de Estado felicitou Merkel e defendeu a manutenção da “estreita cooperação” entre Paris e Berlim para reforçar a construção europeia. Em conversa telefónica, Hollande e Merkel “manifestaram sua vontade de seguir trabalhando incansavelmente na aproximação entre França e Alemanha e prosseguir com sua cooperação estreita para superar os novos desafios da construção europeia”.

PSD (comunicado): “Os cidadãos alemães legitimaram a chanceler Angela Merkel para o terceiro mandato consecutivo à frente do executivo alemão e desta forma deram nota positiva ao projecto europeu que a chanceler tem sustentado, sobretudo no último mandato”. O resultado eleitoral “é um garante de estabilidade para a política interna alemã mas também traduz um aval à política de responsabilidade e solidariedade no plano europeu, defendida pela chanceler alemã, que tem sido determinante para a recuperação económica na zona euro e na União Europeia no seu conjunto”.

Marisa Matias, eurodeputada do Bloco de Esquerda: Vitória de Angela Merkel é “um muito mau resultado para a Europa” e para Portugal, que vai continuar a ver o seu mercado interno “estrangulado”. “É um muito mau resultado para a Europa, significa a continuidade da austeridade, mas infelizmente mostra também que o SPD não é uma alternativa, e daí a concentração de votos” em Merkel.

João Ferreira, eurodeputado do PCP: Vitória de Angela Merkel “não é determinante” para a situação da evolução da situação em Portugal. O importante é “romper com o que o PCP chama de pacto de agressão” e as suas consequências. “Isto sim é aquilo que mais pode pesar na evolução da situação nacional, sendo que o caminho mais seguro e imediato de romper com este caminho e com as políticas consagradas no pacto de agressão é o reforço das forças que a eles se têm oposto, nomeadamente a CDU”.