Hipermercados mais baratos do que lojas tradicionais para compras escolares

Estudo da Deco.

Muitas familias optam por adquirir material escolar usado ou cedido por amigos
Foto
Regras das deduções vão ser revistas Rui Gaudêncio

Os hipermercados são uma opção mais barata do que o comércio tradicional para comprar o material escolar, mas as lojas online posicionam-se como “sérias concorrentes”, revela um estudo da associação de defesa do consumidor Deco.

Segundo a Deco, que comparou 80 produtos, 66 lojas e 5280 preços, as grandes superfícies (Jumbo, Continente, Pingo Doce, Continente Modelo, Intermarché, Staples e El Corte Inglés) saem a ganhar para quem opta por produtos de marca (cabaz 1, com 33 produtos), mas as versões online concorrem com as lojas físicas quando os consumidores são mais sensíveis ao preço (cabaz 2, com 47 produtos sem marca).

O Jumbo é o hipermercado mais barato para os dois cabazes, seguido do Continente, enquanto o El Corte Inglés é a opção mais cara para adquirir o material escolar.

Por outro lado, nas 28 papelarias e lojas específicas avaliadas pela Deco, os preços eram mais elevados.

O preço médio do cabaz variou entre os 120 euros (cabaz 1) e 100 euros (cabaz 2), incluindo, entre outros produtos, lápis, caneta, borracha, lapiseira, caderno, régua, tesoura, agrafador, pasta de arquivo, furadora, lápis de cor, canetas de feltro, compasso, micas, fita-cola, tubo de cola, correctores de escrita, marcadores, papel e mochilas.