Professores contratados em Setembro serão pagos como se dessem aulas desde dia 1

“A escola moderna é onde se aprende, onde se respeitam os professores", disse Nuno Crato
Foto
Nuno Crato diz que vão ser contratados menos professores Adelaide Carneiro

6437 horários anuais - foi o que ficou por atribuir depois do concurso de professores cujos resultados foram conhecidos na sexta-feira. Mas ninguém sabe ao certo quantos lugares haverá, de facto, por preencher ainda. Ou em que grupos disciplinares.

Os horários não atribuídos, na sua maioria horários completos, foram "devolvidos" às escolas, faz saber o Ministério da Educação e Ciência (MEC) em resposta ao PÚBLICO. Estas têm de voltar a analisar quais são as suas necessidades (tendo em conta baixas médicas e os professores colocados com redução de carga lectiva, por exemplo) e "a carregar os horários na plataforma da Direcção-Geral da Administração Educativa (DGAE)".

Estes horários integrarão a primeira Reserva de Recrutamento, que terá lugar na segunda semana de Setembro. E o MEC deixa uma garantia, que esclarece uma das dúvidas que muitos professores manifestavam ontem: a contratação de docentes sem vínculo à função pública nessa fase "produzirá todos os efeitos a 1 de Setembro". Ou seja, será contado o tempo de serviço e os professores serão pagos como se tivessem começado no início do mês.

Ler mais na edição impressa ou na edição online exclusiva para assinantes