Quebra de quase cinco mil candidatos ao ensino superior

Primeira fase terminou na sexta-feira. Número de alunos que se propõe voltou a descer.

Vagas fixadas nas diferentes instituições de ensino superior estão desfasadas da realidade
Foto
Vagas fixadas nas diferentes instituições de ensino superior estão desfasadas da realidade DANIEL ROCHA

O número de estudantes que se inscreveu no concurso de acesso ao ensino superior voltou a descer. Na primeira fase, que terminou esta sexta-feira, apresentaram-se menos quase cinco mil alunos e apenas concretizaram a candidatura 44% daqueles que tinham manifestado intenção de entrar nas universidades e institutos politécnicos quando realizaram os exames nacionais do ensino secundário.

Só podem concorrer nesta fase os alunos que concluíram os exames nacionais do secundário na 1.ª fase. Com médias negativas nas principais disicplinas e as taxas de reprovações a subirem foram muitos os alunos que voltaram a repetir exames na 2.ª fase e que agora só se poderão candidatar ao superior em Setembro.

O prazo de candidatura terminou à meia-noite desta sexta-feira e, de acordo com os dados disponíveis no sítio na internet da Direcção-Geral do Ensino Superior, 40.546 estudantes inscreveram-se na primeira fase do concurso nacional de acesso. No ano passado, no mesmo período foram contabilizadas 45.838 candidaturas, o que fixa a quebra em 4847 alunos. Esta tendência de redução do número de candidatos tinha começado a desenhar-se logos nos primeiros dias do concurso, iniciado a 16 de Julho, a manteve-se até ao final da primeira fase. O número de candidatos volta assim a descer, depois de no ano passado já se ter registado uma quebra de 1295 candidatos na primeira fase. 

Na primeira fase dos exames nacionais de ensino secundário estiveram inscritos 159.153 alunos, dos quais apenas 57% tinham manifestado a intenção de entrar no ensino superior. Ainda assim, menos de metade dos quase 92 mil candidatos às universidades e institutos politécnicos efectivaram a sua candidatura nesta primeira fase.

No próximo ano lectivo, as universidades e institutos politécnicos da rede pública disponibilizam 51.461 vagas para novos alunos, uma redução de 837 lugares face ao ano lectivo anterior. Os dados para já conhecidos apontam para um número de vagas sobrantes elevado – a diferença entre o número de candidatos e de lugares disponíveis é de quase 11 mil –, em linha com a tendência dos últimos dois anos em que houve 8547 e 7884 vagas a mais, respectivamente.

O número final será, porém, inferior, uma vez que ainda faltam contabilizar as candidaturas da segunda fase do concurso nacional de acesso, que apenas decorre de 9 a 20 de Setembro. Esse período deverá ser bastante concorrido, uma vez que houve muitos estudantes que foram à segunda fase dos exames para tentar subir a nota ou obter aprovação. Dos alunos que realizaram o exame de Matemática A do 12.º ano na 1.ª fase 59% repetiram-no na 2.ª. Nas outras três disciplinas mais comncorridas estas percentagem foram respectivba,mente de 52% a Física e Química A, 49% a Biologia e Geologia e 37% a Português.

Os estudantes terão ainda uma terceira oportunidade de acesso ao ensino superior, entre 3 a 7 de Outubro. Até à próxima quinta-feira, 15 de Agosto, os alunos ainda podem apresentar ou alterar a sua candidatura, desde que utilizem uma nova ficha emitida após a afixação dos resultados da reapreciação da 1.ª fase dos exames nacionais. Depois terão que esperar até 9 de Setembro, dia em que são conhecidas as colocações no ensino superior.

Notícia corrigida às 14h55. Altera informação sobre a 2.ª fase dos exames nacionais
 

Sugerir correcção