Exame de 6.º ano bem estruturado, dizem professores de Português

Parecer da Associação de Professores de Português.

Foto
Prova acessível, dizem professores de Português Nelson Garrido

Segundo a APP, a prova segue a matriz do exame do ano passado e das provas de aferição de anos anteriores.

Os exercícios propostos "valorizam-se os desempenhos na leitura e na escrita". "É de assinalar como aspectos positivos a preocupação em fazer depender a interpretação da leitura do conhecimento explícito da língua".

Fazendo uma avaliação global, a APP considera que a quantidade de questões bem como a sua complexidade e extensão são são adequados ao tempo previsto para a realização da prova.

No entanto, alerta que há expressões, no grupo I, "cujos significados e referência podem não estar presentes num aluno do 6.º ano", por exemplo, “antiguidade” como período histórico, “arte contemporânea” e "antiguidades egípcias”. "Nesse sentido, a enciclopédia requerida ao leitor de 11 ou 12 anos pode não ser a mais apropriada para resolver de forma coerente uma questão como 2.4.5"

No que diz respeito à gramática, as perguntas "cobrem um conjunto alargado de itens programáticos". Quanto à produção escrita, na última parte da prova "não causa perturbação aos alunos, dado que este é um tipo de texto adaptado ao trabalho que os alunos terão realizado em sala de aula, ao longo do ano lectivo".