Seguro: “Se há dinheiro, paguem-se os subsídios”

“Não arranjem desculpas. O país está a viver uma crise”, diz secretário-geral do PS.

O secretário-geral do PS, António José Seguro, considera que o Governo está a arranjar desculpas para não pagar os subsídios de férias e de Natal aos funcionários públicos. Para o dirigente socialista “se há dinheiro, cumpra-se a lei e paguem-se os subsídios”.

Seguro, que falava esta quinta-feira em Santarém à margem da Feira Nacional da Agricultura que decorre até domingo, desafiou o Governo a pagar os subsídios, sublinhando que “os subsídios são sempre pagos aos trabalhadores quando vão de férias”. 

O socialista reagia às declarações desta quarta-feira de Pedro Passos Coelho, que afirmou que os subsídios só podem ser processados depois de publicado o Orçamento Rectificativo. “Não arranjem desculpas. O país está a viver uma crise”.

Seguro diz que “os trabalhadores estão a viver e a passar dificuldades e esse dinheiro faz-lhes falta”. “E se o dinheiro faz falta aos trabalhadores também faz falta à nossa economia, porque de certeza que esse dinheiro não é para os trabalhadores irem fazer férias de luxo fora de Portugal é pelo contrário para ajudarem a fazer face às dificuldades do dia-a-dia. Esse é dinheiro que entra no nosso comércio e que entra na nossa economia”, defendeu.

Na quarta-feira o primeiro-ministro afirmou que há dinheiro para os subsídios de férias e de Natal mas que actualmente não existem condições legais para proceder ao pagamento. O primeiro-ministro disse que o pagamento do subsídio de férias “já está a ser feito desde Janeiro”, em duodécimos, e que o de Natal “será processado em Novembro”.

O primeiro-ministro garantiu que “há dinheiro e que o problema não é um problema de financiamento” e que o importante agora é que os serviços comecem a preparar os procedimentos necessários para o que subsídio de Natal possa ser processado a partir do momento em que o Orçamento de Estado Rectificativo seja publicado”.