Economia portuguesa recuou 4% no primeiro trimestre

Primeira estimativa do INE apontava para uma recessão de 3,9%

Ministro das Finanças prevê que a dívida passe os 120% do PIB em 2013
Foto
Ministro das Finanças prevê que a dívida passe os 120% do PIB em 2013 Alex Domanski/Reuters

O Instituto Nacional de Estatística reviu os dados sobre o crescimento económico nos primeiros três meses do ano e estima agora uma queda de 4% face ao primeiro trimestre de 2012 e de 0,4% comparando com os últimos três meses do ano.

Os dados divulgados nesta-quarta feira mostram que o produto interno bruto (PIB) recuou mais do que o INE esperava em Maio, dado que a primeira estimativa apontava para uma queda de 3,9%.
 
O Eurostat confirmou também nesta quarta-feira que a economia europeia continuava em recessão no primeiro trimestre de 2012. O PIB da zona euro encolheu 1,1% face ao período homólogo e no conjunto dos 27 Estados-membros recuou 0,7%. A queda de 4% em Portugal é a terceira maior, sendo apenas superada pelas descidas na Grécia (-5,3%) e Chipre (-4,1%).

De acordo com o INE, a redução homóloga mais acentuada do PIB em Portugal foi determinada pelo comportamento da procura interna, nomeadamente do investimento.

“A procura interna registou um contributo mais negativo para a variação homóloga do PIB, passando de -4,6 pontos percentuais no quarto trimestre de 2012 para -6,4 p.p. no trimestre seguinte. Em sentido oposto, o contributo da procura externa líquida aumentou de 0,8 p.p. para 2,3 p.p. no primeiro trimestre de 2013, devido principalmente à redução mais acentuada das importações de bens e serviços em termos reais”, refere o INE.
 
A procura interna registou uma variação negativa de 6,3% em termos homólogos, traduzindo-se numa redução mais acentuada que a verificada no trimestre anterior (-4,5%). Para este resultado contribuiu principalmente a redução do volume de investimento, que passou de uma queda de uma queda homóloga de 2,1% no final de 2012 para um recuo de 16,8%.

O consumo público manteve uma queda de 4%, e o consumo interno, embora continue em queda, até registou uma ligeira melhoria face ao último trimestre do ano passado. Nos primeiros três meses do ano, o consumo caiu 4,3%, percentagem comparável com a redução de 5,3% registada no final de 2012.

Face ao trimestre anterior, o PIB registou uma diminuição de 0,4% (variação de -1,8% no quarto trimestre de 2012).

A balança comercial conseguiu, por sua vez, um resultado positivo, atingindo 1,4% do PIB no primeiro trimestre, contra uma queda de -1,7% no primeiro trimestre de 2012 e de 0,4% no último trimestre do ano.

Economia destruiu mais de 101 mil empregos
O INE adianta ainda que a economia perdeu 101 mil empregos entre o final de 2012 e o primeiro trimestre de 2013, arrastando o emprego para o nível mais baixo desde que há registo.

De acordo com os dados corrigidos de sazonalidade, no primeiro trimestre do ano, a população empregada era de 4464 pessoas, menos 2,2% do que no último trimestre de 2012.

O INE destaca ainda que a variação homóloga conheceu também um agravamento, passando de -4,2% no trimestre anterior para -5,2%. O emprego remunerado também caiu 4,9% em comparação com o ano passado. No final do primeiro trimestre o INE dá conta de 3867 empregos remunerados.