Torne-se perito

Autoridades chinesas impedem homenagem aos mortos da praça Tiananmen

Foi a 4 de Junho de 1989. Censura permanece à celebração desta data.

Fotogaleria
A imagem icónica dos protestos dos estudantes em Tiananmen Reuters
Fotogaleria
Um dia banal na praça de Tiananmen esta terça-feira Reuters

A polícia chinesa proibiu, esta terça-feira, o acesso a um cemitério onde estão sepultadas vítimas da sanfrenta repressão do movimento democrático de Tiananmen. Outras medidas foram tomadas para impedir a comemoração do 24.º aniversário do 4 de Junho de 1989.

No exterior do cemitério de Wanan, a oeste de Pequim, as autoridades bloquearam a entrada principal daquele local. E as famílias dos estudantes, mortos há 24 anos, foram acompanhadas de perto e vigiadas.

Quase um quarto de século depois de o Governo chinês ter decidido reprimir as manifestações dos estudantes – que exigiam maior abertura e democracia para o país –, com tanques na praça de Tiananmen, o aniversário deste acontecimento continua a ser um tema sensível para o regime, que se esforça por impedir a discussão pública ou as comemorações.

O assunto continua a ser tabu nos meios de comunicação oficiais e existe uma censura draconiana que é exercida sobre as redes sociais. Se se procurar pelas palavras "4 de Junho", "Tiananmen" ou "vela", a pesquisa é bloqueada, confirmou a AFP esta terça-feira.

As autoridades continuam a silenciar ou a vigiar alguns dissidentes e defensores dos direitos, disse a organização China Human Rights Defenders, com sede em Hong Kong. Liu Xiaoyuan, advogado dos direitos humanos, anunciou no seu Twitter que a sua conta de microblogues chineses foi neutralizada depois de ter publicado uma imagem de uma vela para lembrar as vítimas de Tiananmen.

"Neste país, a questão vem a lume ou é apagada uma vela", comentou por seu lado artista Ai Weiwei.

De acordo com as organizações de defesa dos direitos humanos, centenas ou mesmo milhares de jovens foram mortos pelo exército chinês durante a repressão em Tiananmen. Pequim justificou a intervenção militar pela necessidade de combater uma rebelião "contra-revolucionária".

Sugerir correcção